FOTOGRAFIAS

AS FOTOS DOS EVENTOS PODERÃO SER APRECIADAS NO FACEBOOCK DA REVISTA.
FACEBOOK: CULTURAE.CIDADANIA.1

UMA REVISTA SEM FINS LUCRATIVOS

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

A literatura no Egito faraônico é o tema da nova exposição do Museu Egípcio e Rosacruz

A peça principal é uma réplica da Estela de Roseta, documento muito importante para a egiptologia, pois através dela foi possível concretizar a decifração da escrita hieroglífica.
Por Emanuelle Spack

XV Exposição de Longa Duração traz ao Museu Egípcio e Rosacruz peças que representam a “A Literatura no Egito Faraônico”. A mostra poderá ser visitada até o mês de agosto de 2018. Cerca de 140 obras chamam a atenção para a forma peculiar da escrita egípcia. A cada dois anos as peças em exposição no Museu Egípcio e Rosacruz são trocadas a fim de que um novo contexto seja trabalhado para apresentar ao público outros objetos integrantes do acervo do museu, que possui 700 peças. “Neste período procuramos disponibilizar um novo tema relativo ao Egito Antigo que possa revelar curiosidades até então não exploradas pelo museu. Isso também possibilita a mostra de peças que não estavam em exposição, tornando o espaço mais dinâmico e rico em conteúdo histórico”, explica a supervisora cultural da Ordem Rosacruz – AMORC em Curitiba, Vivian Tedardi.
A peça mais importante do Museu Egípcio continua sendo a Tothmea, uma múmia original de uma dama egípcia de cerca de 2600 anos. Mas a literatura do Egito Antigo ganha destaque nesta exibição. A escrita é um dos fatos mais importantes na história do mundo. Ela define o registro dos acontecimentos. No Egito, ela era organizada na forma de hieróglifos, ou seja, símbolos que representavam objetos. Os livros de história relatam que essa forma de escrita era composta por mais de seiscentos caracteres.
De acordo com Ewerson Thiago da Silva Dubiela, responsável pelo Museu Egípcio, na XV Exposição de Longa Duração o visitante poderá ver a relação dos textos egípcios com a organização social e cultural do Egito Antigo. “Teremos uma réplica perfeita da Estela de Roseta, documento que possibilitou a decifração da escrita hieroglífica. Além disso, queremos chamar a atenção para os textos que os antigos egípcios produziram”, diz Ewerson.
Mais do que exibir imagens que relembrem uma parte do passado egípcio, os detalhes, os temas, a disposição das obras e a história a ser contada em cada exposição do Museu Egípcio são pensados de forma a levar conhecimento histórico para aqueles que se interessam pela cultura egípcia. “Julgamos interessante conhecer como os egípcios pensavam e explicavam o mundo. A literatura é uma excelente fonte para desvendar esse aspecto”, contam Vivian e Ewerson.
Serão três salas para visitas. A primeira delas apresenta os mitos egípcios relacionados com a religião, a origem da escrita, o ofício do escriba e o poder faraônico. A segunda sala exibe as “Instruções”, textos específicos que apresentam como era a sociedade egípcia. Na terceira sala aparecem os textos funerários para falar sobre a mumificação. “Com relação às peças, além da já citada Estela de Roseta, também teremos estatuetas do período do faraó Akhenaton que ainda não foram expostas, imagens de divindades e outros objetos que há algum tempo não são mostrados ao público”, diz Vivian.
Para ela, esse espaço é importante pela singularidade do conhecimento que oferece. O Museu Egípcio dedica-se a divulgar a história do Antigo Egito e por isso é um espaço cultural e educativo, uma vez que, além de atender o público em geral, oferece à comunidade escolar atividades educativas em suas exposições. “Enquanto na exposição anterior as explicações centravam-se sobre o cotidiano egípcio, nesta nova conversaremos mais sobre a escrita. Contudo, temas como poder faraônico, religião e mumificação continuarão a fazer parte da explicação para os alunos que nos visitam.” Na última semana de janeiro será aberta a agenda para a visitação escolar ao Museu Egípcio para o ano letivo de 2017. Outra novidade é que a partir de agora o museu passa a funcionar também nos feriados das 10h às 17h, ficando fechado apenas nos dias de Natal e Ano novo.

Serviço
Exposição: A Literatura no Egito Faraônico
Local: Museu Egípcio e Rosacruz
Endereço: Rua Nicarágua, 2620 - Bacacheri - 82515-260 - Curitiba, Paraná.
Período para visitação: de 26 de setembro de 2016 até agosto de 2018.
Entrada:
R$ 5,00 inteira;
R$ 3,00 meia (estudantes rosacruzes, crianças até 12 anos, idosos, estudantes, professores mediante documento comprobatório, doadores de sangue e pessoas com necessidades especiais);
R$ 1,00 visitas escolares monitoradas.
Dias e horários de funcionamento:
De segunda a sexta-feira das 8h às 12h e das 13h às 17h30;
Sábados: das 10h às 17h;
Domingos: das 9h às 12h;
Feriados: das 10h às 17h.
*O acesso às instalações do Museu será feito até meia hora antes do horário de fechamento.

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Café com Negócios chega a 1000 participantes em sua quarta edição

Relacionamento franqueado e franqueador em tempos de crise

franchising_031016_agenda

Mitos e realidades sobre Reforma da Previdência e o envelhecimento populacional

Medicina
A Previdência registra rombo crescente: gastos saltaram de 0,3% do PIB em 1997 para projetados 2,7% em 2017. Em 2016, o rombo é de R$ 149,2 bi (2,3% do PIB). Muito se discute sobre uma reforma e, provavelmente, o governo do presidente Michel Temer deve enviar proposta para o Congresso ainda esse ano. Acompanhando o ritmo global, os brasileiros estão vivendo mais e a população tende a ter mais idosos, e os jovens, que sustentam o regime, diminuirão.
Para falar sobre o tema, a Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRio), através do seu Conselho Empresarial de Medicina e Saúde, traz o economista e doutor em Ciência Política, Paulo Tafner, para debater sobre o polêmico tema. O encontro será realizado no dia 3 de outubro, às 10h, na ACRio.
Serviço
Palestra: Reforma da Previdência e o envelhecimento populacional
Data: 03 de outubro de 2016
Horário: 10h
Endereço: Casa do Empresário – Rua Candelária, nº 9 – Centro – RJ
Informações: conselhosconf@acrj.org.br
Tel.: (21) 2514-1206 / 2514-1268 / 2514-1280

Seminário: Produção e Comércio da cerveja no Rio

Convites gratuitos e vagas limitadas para o 9º Sustentar

Secretário sugere edição da Abav também no Rio de Janeiro

Nilo Sergio Felix destaca preparo do Estado para realização de grandes eventos, após Jogos Olímpicos
Com a proposta para o Rio de Janeiro sediar a Abav em 2017, Nilo Sergio Felix, secretário de estado de Turismo do Rio, iniciou seu discurso durante a abertura da 44ª Expo Internacional de Turismo, em São Paulo. O pleito, aplaudido pelos participantes do evento, é uma questão abordada com frequência pelo trade e ganha força diante do sucesso da realização dos Jogos Olímpicos na capital carioca.
Nilo Sergio Felix também ressaltou a importância da Rio 2016 para o desenvolvimento da atividade turística, não apenas no Rio de Janeiro, como em todo o Brasil.
A Olimpíada trouxe um resultado fantástico para o turismo nacional. Estamos empenhados em manter esta demanda na cidade do Rio, e nos municípios do interior. Saltamos de 29 mil para 60 mil quartos de hotel entre 2009 e 2016 na capital. Contamos com infraestrutura de excelência, incluindo serviços e novos empreendimentos de mobilidade urbana, além de know-how para organização de grandes eventos. A realização da Abav também no Rio, e em outras cidades brasileiras é um dos nosso propósitos, pulverizando a cultura e as peculiaridades turísticas do Rio e do Brasil – destacou o secretário, que também preside o Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Estaduais de Turismo.
Nilo Sergio Felix reiterou a necessidade da liberação permanente do visto para países como EUA, Austrália, Japão e Canadá, o que traria um fluxo enorme de turistas para o Brasil. Durante a Olimpíada, a isenção temporária da apresentação do documento pelos estrangeiros foi usada por 74% dos turistas destas nacionalidades. Segundo pesquisa do Ministério do Turismo, 82% dos turistas internacionais afirmam que a dispensa facilitaria o retorno deles ao Brasil.
O secretário destacou ainda, o pleito pela liberação dos jogos, afirmando que o turismo no Brasil oferece condições adequadas para a consolidação dos cassinos, ampliando a arrecadação dos estados, renda familiar e oportunidades de trabalho.
--
Secretaria de Estado de Turismo do Rio de Janeiro
Contatos Imprensa:
Peter Barcelos - (21) 98596-6719/ 98884-9030
Mariane Coutinho - (21)96920-2776
Suzana Cerqueira - (21) 99526-0076