FOTOGRAFIAS

AS FOTOS DOS EVENTOS PODERÃO SER APRECIADAS NO FACEBOOCK DA REVISTA.
FACEBOOK: CULTURAE.CIDADANIA.1

UMA REVISTA SEM FINS LUCRATIVOS

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

HISTÓRIA DOS ESTADOS, REINOS E IMPÉRIOS DE ÁFRICA OESTE

CURSO DE FÉRIAS: HISTÓRIA DOS ESTADOS, REINOS E IMPÉRIOS DE ÁFRICA OESTE
MODULO 1: SISTEMAS CULTURAIS AFRICANOS E OS ESTADOS MATRIARCAIS E MATRILINEARES: SENEGÂMBIA E OUANQARAN (Séc. IV a XX)
2ª, 4ª e 6ª feiras, das 18h00s às 21h00s.
De 09 a 20 de Janeiro
IFCS / UFRJ
Aos Sábados, das 09h30s às 12h30s.
De 07 a 28 de Janeiro
Faculdade de Letras / UFRJ
EMENTA:
O curso tem como objetivo a divulgação do processo de formação de Estados com Conselhos de Anciãs e Reinos matriarcais e matrilineares africanos da África Oeste que se fundaram com as identidades Sonianke, Mandinke, Kaabunke, Waalo e Akan no território de Senegâmbia e Ouanqaran, em diferentes períodos antes e durante a ocupação islamo-árabe no Ghana e Europeia na Alta e Baixa costa da Guiné. Através de apresentações que abordam questões referentes à formação de Elites políticos, relações sociais e representações dos sistemas culturais, políticas e econômicas no território Oeste Africano com destaque nos periodos entre séculos IV a XIX.

PROGRAMACÃO:
– África Tropical antes do Islão – Séc. II a VI
– Estado Matrilinear e espiritual kassey de Ghana e o poder Sonianke dos Kaya Maghan Sisse – Séc. IV a X
– Estados de Clãs e Famílias matrilineares e patrilineares Akan: Ada, Osudoku, Shai, La, Ningo, Kpone, Gbugbla e Krobo de Adansi e Amanse (Atual Costa do Marfim) – Séc. XVI a XVIII
– Reino Mandinka de Kaabu e a organização política matrilinear Nyantio dos farin Sangoli de Estados: Kokoli (Tyapy), Kassanga (Bainuk orientais), Brassu de Oyo, e gambianos Niumi, Bati (Badibu), Niani e Wuli – Sec. XV a XIX

– Reino matrilinear Beafada e os sistemas culturais matriarcais e matrilineares Bijagós, Nalus, e Brames de Mandjacos, Mancanhe e Papeis – Séc. XIV a XIX
– Reino  Jolof dos Linger  e  o sistema matrilinear Tejek, joos e loggar do Waalo, Kayor, baol, Sine e Saloum – Séc. XIV a XIX
– Reino de Zaria (Kaduna) e a Rainha Aminatu Lawal entre os Estados Haussa – séc. XVI- XVII
– Reino de Dahomé e o Regimento Militar Fon das guerreiras Ahosi Mino – Séc. XVII a XIX
MODULO 2: IDENTIDADES ISLÂMICAS E OS REINOS AFRICANOS: SENEGÂMBIA E OUANQARAN (Séc. X a XX)
2ª, 4ª e 6ª feiras, das 18h00s às 21h00s.
De 06 a 17 de Fevereiro
IFCS / UFRJ
Aos Sábados, das 09h30s às 12h30s.
De 04 a 25 de Fevereiro
Faculdade de Letras / UFRJ

EMENTA:
O curso tem como objetivo a divulgação do processo de formação de Estados africanos da África Ocidental, contribuição de islã na construção das identidades Malinké, Kaabunké, Jalof e Tukrur no território de Sene Gâmbia, em diferentes períodos antes, durante a ocupação islamo- árabe da Norte de África. Através de apresentações que abordam questões referentes à formação de Elites políticos, relações sociais e suas representações culturais, políticas e econômicas no território Ocidental Africano com destaque na história dos Rios da Alta e Baixa Guiné durante séculos IV ao XIX.

PROGRAMACÃO:
– Expansão Muçulmana na África do Norte, séc. VII-X
– Almorávidas e Apogeu do Ghana Muçulmana, séc. X-XIII (Saara Ocidental)
– Império do Mali e a formação política Mansaya, Oron e Nyamankala dos Malinké, séc. XIII-XIV
– Jalof e a formação política Waalo, Kayor, baol, Sine e Saloum, séc. XIV-XVI (Sene Gâmbia)
– Reino de Kaabu e o sistema tributário patrilinear dos Mandinke e Susso, séc. XIV-XIX (Reino de Kaabu)
– Islão na Ouanqaran, séc. XVII-XIX (Golfo de Benin)
– A representação islâmica no território Norte dos reinos Ashanti, Oyo e Daomé, séc. XVII-XIX
– As dentidades matrilineares Haussa e a patrilinearização Islâmica dos Mandinke e Fulbe- séc. XVII-XVIII
– Os Estados Teocráticos Fulbé (Peul, Fulani, Wadabé) e os fundamentos Islam-Arabe na Futa Djalon, Macina, Fouta Turo e Sokoto, séc. XVIII-XIX
– Formação dos Estados modernos na África Oeste e a hegemonia islamica na Senegâmbia, séc. XIX-XX
MUDULO 3: O PODER DOS REGULOS DI TCHON (AFRICANOS) ENTRE AS MISSÕES CATÓLICAS E A CRISTANDADE DOS CRIOULOS, TANGOMÃOS E ASSIMILADOS: SENEGÂMBIA E OUANQARAN (Séc. X a XX)
2ª,4ª e 6ª feiras, das 18h00s às 21h00s.
De 13 a 24 de Março
IFCS / UFRJ
Aos Sábados, das 09h30s às 12h30s.
De 04 a 25 de Março
Faculdade de Letras / UFRJ
EMENTA:
O curso tem como objetivo a divulgação do sistema da evangelização de diferentes missões católicas nos séculos XVI a XIX através do processo civilizatório, catequese e comércio nas diferentes feitorias agrícolas e presídios de homens em condição de escravo e capitanias de embarcação. Será destacada a interação entre os Lançados / Tangomãos, os Cristãos Novos, os Judeus foragidos da justiça, os Árabes, os Wolofos do Reino de Waalo e os Kaabunke do Reino de Kaabu que resultara na construção das Identidades Afro-Portuguesa de Costa da Guiné e Kaabuverdiana das Ilhas de Kaabu Verdi que deu herança aos grupos que no termo português foram referidos como crioulos, grumetes, civilizados e gentios em diferentes localidades onde as ações católicas foram mais presentes.

As apresentações devem abordar questões referentes à relação de parentesco das famílias elites católicas (brancas, Pretas e Mestiças) e suas relações socioculturais, políticas e econômicas nas terras de cristandade de Cacheu, Bissau, Ziguinzhor, Geba, Farim e Bolama em diferentes períodos de comércio e conflito entre representantes de Coroa Português e afirmação dos soberanos africanos nas margens dos Rios da Guiné.
PROGRAMACÃO:
1.Primeiras Evangelizações na Ilha de Santiago e a contradição dos Feitores da Coroa Portuguesa com os Chefes Papeis, Beafadas, Brames e Bijagós nas margens dos Rios São Domingos, Cacheu e Geba – séc. XV-XVI.
  1. Os missionários Católicos entre os comerciantes Mouros, Lançados e os africanos de Sene Gâmbia, séc. XVI-XVII
  1. A Missão Jesuíta e os Tangumãos em contradição com a Coroa Portuguesa e os Mansas e chefes Jalof de Sene Gâmbia e Ouanqaran – séc. XVI
  1. Primeira Missão Franciscana nos rios de Sene Gâmbia e os Régulos de Terra, sec. XVII-XVIII
  1. Religião Católica das Feitorias e Presídios de Gorea, Cacheu e Dahomé em contradição com os autóctones islamizados na Senegâmbia, séc. XVI a XIX
  1. A Cristandade de Cacheu, Bissau, Bolama, Geba e Santiago e as Identidades Afro-portuguesa e Cabo-Verdiana na Costa da Guiné e Ilhas de Cabo Verde, sec. XVI a XIX
  1. Estados Independentistas africanas e a herança do sistema Islam-Arabe e colonial Europeia na Senegâmbia, Ouanqaran e Ilhas de Kaabu Verdi, sec. XIX a XX

Inscrição ON-LINE:

Modulo I: até 06 de Janeiro de 2017.
Modulo II: até 03 de Fevereiro de 2017.
Modulo III: até 04 de Março de 2017.
Os participantes receberão materiais de apoio e aqueles com até 75% de participação nas aulas serão beneficiados com certificado.
Ministrantes:
Maurício Wilson Camilo da Silva
Bolsista da Fundação Calouste Gulbenkian. Pesquisador da história de África Oeste – Séculos IV a XX, Sócio do Real Gabinete Português de Leitura no Rio de Janeiro e associado ao Instituto Nacional de Estudo e Pesquisa em Guiné Bissau e Arquivo Histórico Ultramarino em Portugal.
Sena Annick Laetitia Abiou
Doutora em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e pesquisadora associada ao Núcleo de Estudos Religiosos (NER) cujos temas relacionados à religião e sociedade, antropologia das emoções, identidade étnica e cultura religiosa de matriz africana com especial atenção a conexão Brasil – Africa.
Ydriss Lamin
Doutor em Antropologia Cultural pela Universidade de Paris e coordenador do Departamento de Pesquisa em História de África na Universidade Cheikh Anta Diop (DPHA/ UAD)

Especialistas debatem papel do Estado e indicam caminhos para o Brasil voltar a crescer

No último dia 12, a Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas da FGV (EBAPE), em parceria com a Columbia Global Centers no Rio, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) e a UM BRASIL, promoveu o evento “Estratégia para o crescimento: o papel de controle do Estado”. O encontro reuniu especialistas, pesquisadores, além de representantes de instituições de fomento nacionais e internacionais para debater a crise econômica brasileira, os principais entraves ao desenvolvimento e apontar os melhores caminhos para alavancar novamente a economia do país. 
O debate mostrou pontos em comum entre os participantes, que acreditam que não há fórmulas mágicas para o Brasil sair de vez da sua pior recessão. Para eles, é preciso controlar os gastos e aplicar os investimentos de forma mais eficiente e em projetos fundamentais para o país.
“A PEC dos gastos diz para a gente a realidade, temos que fazer escolhas. Se queremos ter mais investimentos e mais despesas correntes em determinados setores, temos que reduzir em outros. Pela primeira vez, vamos discutir um orçamento de verdade”, avaliou Maria Silvia Bastos Marques, presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), sobre a importância da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 55.
Maria Silvia falou sobre ações do BNDES, como o Programa de Parceria de Investimentos (PPI) e projetos voltados para a área de saneamento básico, além de apontar que a instituição está buscando mecanismos para melhorar sua eficiência. “Estamos tentando estabelecer um arcabouço diferente, inclusive na gestão financeira. Estamos avaliando metodologias. Nossa intenção é fazer uma avaliação mais simplificada para projetos menores e mais sofisticada para maiores”, explicou.
Para a diretora do Centro de Estudos em Regulação e Infraestrutura da FGV (CERI), Joisa Dutra, é preciso também estar atento aos contratos de concessão, para que as políticas tenham o efeito esperado. “Precisamos regular adequadamente essas empresas”, disse.
Segundo o vice-diretor da EBAPE, professor Álvaro Cyrino, o Brasil tirou lições da crise e de políticas que não funcionaram. O diretor destacou aspectos importantes que foram abordados no evento. “Outro ponto, várias vezes colocado hoje, é como tornar o ambiente de negócios no Brasil mais interessante para o investidor e mais propenso, eficaz para a melhoria da produtividade e da competitividade”, afirmou.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Congresso Internacional de Qualidade em Serviços e Sistemas de Saúde abre call for papers



Anualmente, o Centro de Estudos em Planejamento e Gestão da Saúde (GVsaúde) da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da FGV (EAESP) promove o QualiHosp – Congresso Internacional de Qualidade em Serviços e Sistemas de Saúde. Em 2017, o tema central será “Inovação para Qualidade e Sustentabilidade na Saúde”.
O congresso tem como objetivo promover ampla discussão sobre o tema e suas diversas interfaces na gestão em saúde, intercâmbio de experiências práticas, além de divulgação de estudos e trabalhos científicos. Também costumam ser oferecidos cursos pré-congresso.
Nesta edição, serão oferecidos call for papers divididos nos temas: “Avaliação em Saúde e Qualidade o Cuidado”, “Empreendedorismo e Inovação”, “Gestão em Saúde”, “Gestão do Cuidado” e “Segurança do Paciente”. Os interessados em participar devem submeter seus artigos até o próximo dia 15 de janeiro.
Os trabalhos submetidos serão analisados pela Comissão Científica do QualiHosp, composta por representantes de instituições públicas e privadas da área de prestação de assistência, financiamento e organização do sistema, além de acadêmicos, com vistas a ampla representatividade do setor. O Comitê Executivo do QualiHosp é formado por professores, pesquisadores e profissionais de instituições públicas e privadas de saúde, ligados ao GVsaúde, responsáveis por organizar e facilitar as atividades do congresso.
Ao longo de seus 19 anos de história, o QualiHosp tem buscado desenvolver uma agenda contendo temas de interesse de pesquisadores e profissionais tanto de hospitais públicos e privados quanto de operadoras, órgãos reguladores, serviços públicos e outros atores envolvidos na prestação de assistência à saúde. A edição de 2017 acontecerá entre os dias 20 e 22 de março.
Para mais informações, acesse o site.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

SEMINÁRIO DESAFIOS DA CIDADANIA II

LANÇAMENTO DE PESQUISA. EMERJ

Marco Terranova lança seu 4º livro de fotografias: Abrolhos – visões de um arquipélago oceânico

O premiado fotógrafo Marco Terranova lança, dia 14 de dezembro, 19h, na livraria Argumento, o livro Abrolhos –visões de um arquipélago oceânico. Apaixonado pelo mar, Terranova conhece o litoral brasileiro como poucos. Transformar os registros fotográficos de Abrolhos em livro é um sonho antigo que se concretiza agora. A publicação, resultado de inúmeras viagens do fotógrafo ao arquipélago, tem patrocínio da Companhia de Navegação Norsul e é editada pela Andrea Jakobsson Estúdio. As fotos que compõem as 220 páginas do livro foram produzidas entre 1996 e 2016.
“A concepção do livro partiu principalmente para comemorar 20 anos de realização desse trabalho fotográfico, mas também acompanhar as mudanças na região”, diz Marco Terranova. O livro, bilíngue (português – inglês) traz textos sobre o arquipélago que situam o leitor no contexto histórico, geológico e ambiental, assinados por nomes de peso como Carlos Roberto Carvalho Daróz, Ian Fortes, José Carlos Sicoli Seoane, Janaína Zito Losada, José Augusto Drummond e Ana Cristina Freitas. Os capítulos abordam a história da batalha de Abrolhos, a geologia da região, a proteção ambiental e o berçário das baleias, e a biodiversidade no Parque Nacional Marinho dos Abrolhos.
Rogério Reis, companheiro de profissão que assina o prefácio do livro, ressalta as singularidades e os talentos de Terranova: “Os bons fotógrafos de natureza são também ambientalistas dotados de paciência acima da média quando se trata de esperar o animal desejado. Conscientes da ameaça permanente que representa o desequilíbrio ecológico em curso, produzem imagens para fins educativos, científicos, culturais e artísticos. Assim, cachoeiras, trilhas e escaladas fazem parte do dia a dia de Marco Terranova, para que ele se mantenha ativo, perceptivo e, como ele mesmo diz, ‘busque estar no seu devido lugar’”.
Terranova focou suas lentes na biodiversidade do lugar, em sua atmosfera paradisíaca e principalmente na grande estrela do arquipélago: a baleia jubarte. O fotógrafo obteve registros de interações entre mãe e filhote e entre espécimes na época de acasalamento. É nessa ocasião que as jubarte oferecem o grande espetáculos dos saltos em que projetam no ar suas majestosas 40 toneladas. O capítulo introdutório, escrito pelo escritor e pesquisador Carlos Roberto Carvalho Daróz, descreve com maestria os primeiros registros dos navegadores a serviço de Portugal, a primeira referência escrita sobre Abrolhos e a importante batalha luso-espanhola contra os holandeses no século XVI.
Os geólogos Ian Fortes e José Carlos Sicoli Seoane fazem um apanhado geológico do arquipélago – suas composições rochosas, a geomorfologia das ilhas e o Complexo Vulcânico do local. Já Janaína Zito Losada e José Augusto Drummond contam como foi criado o Parque Nacional Marinho dos Abrolhos — PNMA, relatando as impressões de cientistas que por lá passaram, como Charles Darwin e Charles Frederick Hartt. Finalizando, a bióloga Ana Cristina Freitas destrincha a biodiversidade marinha do Complexo Recifal dos Abrolhos e a biodiversidade terrestre do arquipélago.
Sobre a Editora
Andrea Jakobsson Estúdio dedica-se desde 2001 ao registro da cultura brasileira por meio de livros de arte. Seu diferencial reside na contratação de autores renomados, com notório saber em suas áreas específicas, seleção de imagens nos acervos das instituições nacionais e internacionais mais significativas e insumos e fornecedores de primeira linha, garantindo uma edição bem cuidada e duradoura. São três as principais áreas de atuação: artes plásticas, meio-ambiente e história do Brasil e do Rio de Janeiro. Já recebeu quatro prêmios Jabuti e um Prêmio Livro do Ano 2010 da Academia Brasileira de Letras.
Abrolhos - Histórias de terra e de mar
Formato: 23x28cm
Número de páginas: 220
Papel miolo: eurobulk 150 g/m2
Impressão: 4/4 cores
Capa: em papelão 15 revestido de couché 150 impresso a 4/1 cores
Guardas: supremo 180 preto
Tiragem: 3.000 exemplares
Preço de capa: R$ 120,00
ISBN 978-85-88742-81-9
Serviço
Lançamento do livro Abrolhos - Histórias de terra e de mar
Rio de Janeiro
Dia 14/12 - quarta-feira, às 19h
Local: Livraria Argumento
Endereço: Rua Dias Ferreira, 417 – Leblon - RJ
Telefone: 2239-5294

O Futuro das Cidades

Experiência sem Limites” Nick Vujicic abre no Rio tournée nacional

Superação! Ele vem mostrar que esta palavra pode ganhar inúmeros significados: Vitória, Perseverança, Sucesso e muito mais!
Esta mensagem move a vida do australiano Nick Vujicic que nasceu sem os membros, sofreu muito, mas superou o bullying e todos os obstáculos para se transformar em um homem realizado, formado, casado, pai de dois meninos e autor de inúmeros livros. Hoje um consagrado palestrante internacional, se diverte com todo o tipo de público, do corporativo ao teen, contando suas mazelas e suas artes na prática de todos os esportes, do golfe ao surf, sempre com a missão de levar fé e esperança a todos que o seguem, através de seus livros, vídeos e shows.
Em dezembro, Nick Vujicic abre a tournée no Rio de Janeiro, dia 13, e depois percorre mais 4 capitais do país trazido pela Experiência de Sucesso – representante oficial da Success Resources, corporação global que é líder em Educação especializada em Desenvolvimento Pessoal, Profissional e Financeiro. A empresa que realiza no país seminários e cursos intensivos com a presença de palestrantes internacionais do naipe de T. Harv Eker, Doug Nelson, Jordan Belfort, Blair Singer, entre outros mentores da transformação para o sucesso, traz agora ao Brasil o mais perfeito exemplo de luta contra o bullying através do fortalecimento individual. Lição obrigatória para ser livre de um bully, conforme as palavras de Nick, nas primeiras linhas do livro “Fique Forte”: “Sou o sonho de todo bully. Sem braços. Sem pernas. Indefeso”.
Hoje, muito pelo contrário! Com todos os limites e condições para fracassar, ele se tornou um homem bem sucedido que se propõe a contar sua história para fortalecer a todos que sofrem para superar os obstáculos, físicos ou morais, para que se aceitem e vençam na vida, como ele conseguiu. Assim, ensina as vítimas de todo o mundo a se proteger da humilhação, zombaria, agressão e isolamento, consequências dessa “epidemia mundial”, como ele aponta, e aos bullies a tentarem enxergar o mal que praticam, seja com colegas da escola, do trabalho, do clube, ou até mesmo dentro da própria família.
Campanha contra o bullying nas Redes Sociais - Através do show motivacional “Experiência sem Limites”, com convidados palestrantes que também irão revelar suas histórias de exemplo e superação, Nick vem ao Brasil falar de sua grande luta contra o bullying. A fim de engajar os brasileiros nesta bandeira, a Experiência de Sucesso criou a campanha #soumaisqueisso que propõe o desafio de compartilhamento de experiências vividas em atos de preconceito. Para participar, basta postar um vídeo nas redes sociais usando #soumaisqueisso, contar sua história de superação e desafiar três ou mais amigos a fazer o mesmo.
Atores, atletas, cantores, formadores de opinião e celebridades vestem a camisa desta luta, defendendo que todo deficiente físico, pessoa de cor, com diferentes opções sexuais ou qualquer outra diversidade cultural seja aceito na sociedade muito além de sua aparência. Mensagem claramente defendida por Nick em seu livro “Fique Forte”, onde conta que foi o alvo preferido dos bullies, até criar passo a passo seu sistema operacional antibullying com o poder de valorizar a autoestima, transformando qualquer um em uma pessoa forte “com escudo próprio à prova de bullies”.
Marcando presença no Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Fortaleza, São Paulo e Porto Alegre, Nick vai realizar talk shows especiais, promovidos pela Experiência de Sucesso em grandes estádios e arenas programados para reunir ao todo mais de 200 mil pessoas. Todos irão ver e ouvir Nick fazer o que mais gosta: transmitir através de sua história o quanto uma pessoa debilitada fisicamente pode superar todas as barreiras e alcançar fronteiras nunca antes imaginadas. Uma história de SUPERAÇÃO que emociona e inspira, dando novo ânimo a qualquer pessoa que enfrenta, não só o bullying, mas os obstáculos e problemas diários que impedem que vá em frente em direção ao sucesso pessoal.
Nascido sem membros devido a uma rara doença, Tetra Amelia, Nick viveu sem se aceitar até a adolescência e pensou inúmeras vezes em suicídio. Com o amor incondicional dos pais, ele foi se encontrando e aprendendo a fazer tudo o que queria. Mas, tudo mesmo, muito mais do que eu e você pensamos um dia em fazer! Utilizando para isso seu único pezinho, ou “sua coxinha de galinha”, como ele mesmo chama. Sem as pernas e os braços escreve, desenha, joga futebol, golfe, nada, mergulha, pesca, salta de trampolim, pula de paraquedas, surfa, e por aí vai. Chegou até a praticar este último ao lado de Bettany Hamilton, a surfista que perdeu um braço em um ataque de tubarão e contou sua história no filme Soul Surfer. O mais empolgante é que Nick faz tudo com um humor tão positivo e certeiro ao falar abertamente de suas condições físicas que deixa qualquer “politicamente correto” totalmente fora de contexto. Participe!!!!!
10% das bilheterias do evento e toda a renda com a venda das camisetas serão entregues à instituições que zelam pela infância e direitos das crianças. www.soumaisqueisso.com.br
#NicknoBrasil:
13.12 – Rio de Janeiro – Rio Arena
14.12 – Belo Horizonte – Estádio Independência
16.12 – Fortaleza – Centro de Formação Olímpica do Nordeste
17.12 – São Paulo – Estádio do Morumbi
18.12 – Porto Alegre – Arena do Grêmio

Livro da ENSP recebe premiação da Associação de Editoras Universitárias

O livro "Três Ensaios de Bioética", de autoria do pesquisador da ENSP e docente do Programa de Pós-Graduação em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva Fermin Roland Schramm, conquistou o segundo lugar na categoria Ciências da Vida do Prêmio Abeu 2016, uma iniciativa da Associação Brasileira das Editoras Universitárias. A publicação é dirigida especialmente a leitores interessados no desenvolvimento teórico da bioética e, ao mesmo tempo, em sua aplicação na solução de conflitos morais. Cada capítulo coloca a bioética em um contexto diferente: na clínica, na genômica e na biossegurança.
 
No primeiro ensaio, discutem-se as possibilidades dessa ‘caixa de ferramentas’ chamada bioética, a fim de compreender e tentar resolver conflitos de interesses e valores no âmbito das relações entre profissionais e usuários dos serviços de saúde. No segundo, o autor aplica as ferramentas da bioética ao caso dos conflitos morais que envolvem a genômica, contemplando argumentos favoráveis e contrários às práticas da engenharia genética e contribuindo para o raciocínio crítico e sem preconceitos sobre o tema. Já o terceiro capítulo trata da interface entre a bioética e a biossegurança, que apresenta preocupações comuns, tais como a questão dos riscos, mas abordagens distintas – enquanto a bioética se ocupa dos valores morais, a biossegurança lança mão de medidas técnicas, administrativas e legais.
 
A coletânea "Dengue: teorias e práticas", também de autoria de pesquisadores da Fiocruz, foi a vencedora do Prêmio Abeu. Durante a cerimônia de premiação, outros três títulos da Editora Fiocruz foram honrosamente citados: "A Sociologia do Brasil Urbano" (na categoria Ciências Humanas), "Dicionário Feminino da Infâmia: acolhimento e diagnóstico de mulheres em situação de violência" (na categoria Projeto Gráfico) e, ainda, o livro "Crianças, Adolescentes e Crack: desafios para o cuidado" (na categoria Ciências da Vida), que é de autoria da pesquisadora do Departamento de Estudos sobre Violência e Saúde Jorge Careli Simone Gonçalves de Assis. 
 
Prêmio Abeu
 
Segundo seus organizadores, o Prêmio Abeu busca distinguir, anualmente, as melhores edições universitárias no âmbito do conhecimento científico e acadêmico, bem como realçar o projeto gráfico mais acurado. O objetivo da associação é incentivar a qualificação das edições das casas editoras universitárias, tanto pelo que diz respeito à excelência dos conhecimentos veiculados pelos títulos, como pela concepção estética das edições.
 
Tendo como curador o professor José Castilho Marques Neto, o Prêmio Abeu 2016 contou com cinco categorias: Ciências da Vida; Ciências Humanas; Ciências Sociais e da Expressão; Ciências Naturais e Matemáticas; e Projeto Gráfico. A primeira edição do Prêmio ABEU foi realizada em 2015, quando a Editora Fiocruz foi a vencedora da categoria Tecnociências com o livro "Cidades Saudáveis? Alguns olhares sobre o tema", de Carmen Beatriz Silveira, Tania Maria Fernandes e Bárbara Pellegrini (orgs).
 
Sobre o autor
 
Fermin Roland Schramm é PhD em ciências/saúde pública, com pós-doutorado em bioética. Ele é pesquisador titular em ética aplicada e bioética do Departamento de Ciências Sociais da Escola Nacional de Saúde Pública; professor do Programa de Pós-Graduação em Bioética, Ética Aplicada e Saúde Coletiva – um programa em associação ampla entre a Fiocruz, UFRJ, Uerj e UFF; professor colaborador na Universidade de Brasília e na Universidade do Chile. Além disso, Fermin Roland foi consultor de bioética do Instituto Nacional de Câncer (Inca) de 1997 a 2014.
 
*informações da Editora Fiocruz

Exposição, palestra e exibição de documentário marcam última semana de atividades da ENSP

A Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca encerrará mais um ano de atividades. Para comemorar, de 13 a 15 de dezembro, serão realizadas atividades científicas e culturais abertas a toda a comunidade Fiocruz. Na terça-feira, 13 de dezembro, a partir das 8 horas, no pátio da Escola, terá início a exposição Frederico Simões Barbosa: da Medicina Tropical à Saúde Pública, organizada pela Presidência da Fiocruz e a Casa de Oswaldo Cruz, a mostra apresenta a trajetória, tanto no Brasil como na OMS, sua vida pessoal e suas preocupações com o social. Já no dia 14, quarta-feira, será a vez da ação especial de Natal do projeto Livro em Movimento, exibição do documentário Catastroika e lançamento do Selo Sergio Arouca de Qualidade da Informação em Saúde na Internet, no blog Tuberculose: circulando a informação. Todas as atividades da semana serão abertas aos interessados e não necessitam de inscrição prévia. Participe!

Na terça-feira, 13/12, das 8 às 17 horas, será aberta a exposição Frederico Simões Barbosa: da Medicina Tropical à Saúde Pública, que permanece na Escola de 13 a 15 de dezembro. Realizado como parte das comemorações do centenário de nascimento de Simões Barbosa, o trabalho pautou-se na documentação encontrada no Departamento de Arquivo e Documentação da Casa de Oswaldo Cruz, documentos na posse da família. Já na montagem, que ocorreu no Aggeu Magalhães, foram utilizadas peças que compõem o acervo da Fiocruz Pernambuco, instituição cujo primeiro diretor foi Frederico Simões Barbosa.



Este ano, no encerramento das atividades da ENSP - de 13 a 15 de dezembro - a exposição será brindada com a exibição do documentário Frederico Simões Barbosa: ciência e compromisso social, produzido pela jornalista da Fiocruz PE Silvia Santos, também realizado com a intenção de celebrar o centenário desse notável protagonista da epidemiologia e da saúde pública, que atuou como pesquisador, professor e gestor de instituições científicas e universidades.

Na quarta-feira, 14 de dezembro, será realizada a ação especial de Natal do projeto Livro em Movimento, das 8 às 17 horas. A partir das 11 horas, haverá a exibição do documentário Catastroika (2012), elaborado pelos mesmos produtores de Dividocracia, o documentário trata da privatização de setores-chave da economia, tais como: comunicação, energia, transportes e água. Passando pela Rússia de Boris Yeltsin, Inglaterra de Thatcher, EUA de Reagan, até chegar à Grécia atual, o documentário mostra como a ideologia neoliberal - que prega o Estado Mínimo - funciona na prática: utiliza o próprio Estado para transferir patrimônio público em serviço de interesses privados.




Às 14 horas, haverá sessão especial do Centro de Estudos da ENSP com o lançamento do Selo Sergio Arouca de Qualidade da Informação em Saúde na Internet, no blog Tuberculose: circulando a informação, vinculado ao Programa Nacional de Controle da Tuberculose (PNCT), do Ministério da Saúde. O blog é a primeira iniciativa de divulgação da saúde a receber esse selo, que assegura ao leitor que seu conteúdo é compreensível e confiável. Com a certificação, o site adquire credibilidade, passa a ser recomendado e torna-se uma referência no assunto no Brasil. O Selo é uma iniciativa do Laboratório Internet, Saúde e Sociedade (Laiss) ligado ao Centro de Saúde Escola Germano Sinval Faria da ENSP.

Para finalizar as comemorações, quinta-feira, 15 de dezembro, será a vez da tradicional confraternização da ENSP, a partir das 15 horas, na entrada principal da Escola.

Anpei realiza Conexão Rio 2016 e debate ecossistema de inovação e oportunidades de negócios no RJ

131216_anpei_conexao_rio

Debate discute modelo regulatório do setor energético no Brasil e EUA

Uma reflexão sobre a evolução da regulação energética no Brasil e nos EUA frente aos desafios de descarbonização da economia mundial e desenvolvimento das energias renováveis. Essa foi a proposta da última edição do Energia em Foco, realizada pela FGV Energia, com apoio da Embaixada dos EUA, no dia 7 de dezembro. O evento reuniu especialistas de ambos os países para falar sobre o tema.
Nelson Narciso, consultor da FGV Energia, foi o moderador da mesa debatedora. Ele destacou que os compromissos assumidos nas últimas Conferências do Clima demandam uma série de alterações que implicam necessariamente na sistemática de regulação. Em seguida, passou a palavra para Silvio Jablonski, chefe de gabinete da Agência Nacional de Petróleo (ANP), que apresentou o trabalho realizado pela ANP, mostrou o tamanho do mercado de petróleo do Brasil e falou sobre o desafio de descarbonização da economia. O especialista destacou que o país já abate 70 milhões de toneladas de gás carbônico do ambiente utilizando biocombustíveis, mas que esse processo de redução de emissões traz um dilema para o Brasil no que diz respeito a camada do pré-sal.
“Hoje já temos 30% de nossa produção vinda do pré-sal. O que faremos com esse óleo? Vamos acelerar a produção para monetizar isso, colocar recurso no fundo social e exportar os excedentes ou a gente guarda esse recurso para gerações futuras? Queiramos ou não, talvez o Brasil esteja chegando um pouco atrasado nessa situação de abundância de petróleo”, destacou.
Em seguida, foi a vez do diretor da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), Tiago de Barros Correia, que falou sobre o modelo pelo qual funciona o setor elétrico no país, os desafios enfrentados e o que há no horizonte desse mercado. Segundo ele, o futuro aponta para geração distribuída, a construção de redes inteligentes de transmissão (smart grids), eletrificação dos transportes e armazenamento de energia.
“Com essas quatro coisas desenhadas, a gente vai ter um mundo novo para se fazer e vamos conseguir atingir as metas de redução com certa tranquilidade. O problema é que o Brasil tem uma tradição de regulamentação muito detalhista. A gente vai precisar de uma regulação adaptativa. Sabemos que as tecnologias vão vir, mas quais são os modelos de negócios por trás dela? Há dezenas de modelos e aplicações que podem ser feitas”, comentou.
Por fim, foi a vez da convidada internacional, Colette Honorable, falar sobre a regulação da transmissão interestadual de eletricidade, gás natural e petróleo nos EUA. A comissária do Federal Energy Regulatory Commission (FERC) apresentou a agência reguladora federal americana, suas funções e o que tem sido feito para garantir o cumprimento das metas de redução de emissões de carbono.
Honorable também falou sobre a colaboração com a ANEEL para troca de informação técnicas em áreas-chave, como a integração de energias renováveis à matriz energética, desenvolvimento de smart grids, e outras tecnologias que estão no horizonte do setor elétrico mundial.
O debate representou uma oportunidade para discussão não apenas das peculiaridades dos ambientes regulatórios do setor de energia do Brasil e EUA, como também para ampliar a cooperação entre os países em um tema de grande relevância para a conjuntura energética mundial.

IBRE lança novo índice voltado para o Mercado Imobiliário Residencial

O Instituto Brasileiro de Economia da FGV (IBRE), em parceria com a Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (ABECIP), lançou um novo indicador econômico: o Índice Geral do Mercado Imobiliário Residencial (IGMI-R ABECIP).
O índice nasceu de uma necessidade de indicadores de preços de ativos imobiliários no país. O IGMI-C (Índice Geral de Preços Imobiliários – Comercial), lançado em 2011, preencheu a lacuna com relação à rentabilidade de imóveis comerciais. Agora, o IGMI-R ABECIP completa este conjunto com informações sobre a evolução de preços de imóveis residenciais, levando em conta os laudos de imóveis financiados pelos bancos.
Conforme estudo realizado pelo pesquisador do IBRE Paulo Picchetti, coordenador técnico do IGMI-R ABECIP, as características de valorização dos imóveis variam muito. Nos Estados Unidos, país de grande dimensão territorial e elevada mobilidade da população, o índice Case-Schiller faz o cálculo através da metodologia das transações repetidas. Outros países, que têm uma realidade diferente da americana, buscam alternativas para fazer o cálculo. O IGMI-R ABECIP usa metodologias adotadas por especialistas de mercado com a finalidade de fornecer o valor mais próximo possível da realidade para a transação do imóvel.
As informações consideradas nas avaliações são mensuráveis e verificáveis, tais como localização, área do imóvel, características da vizinhança, qualidade do material utilizado no acabamento, número de aposentos, dentre outros aspectos que são levados em conta nas transações de compra e venda.
Periodicidade mensal
Com base em laudos de avaliações fornecidos por um conjunto expressivo de agentes financiadores imobiliários, o IGMI-R ABECIP é calculado com uma amostra mensal iniciada em janeiro de 2014 e atualizada mensalmente.
A base de dados reúne informações sobre imóveis em mais de 4 mil municípios em todos os estados do Brasil, o que permite o cálculo para o total do país, e separadamente para as nove capitais com maior densidade de informações: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Fortaleza, Recife, Curitiba, Porto Alegre, Salvador e Goiânia.
Ao longo do tempo, novos municípios serão gradativamente integrados ao índice, assim como outros detalhamentos, como diferentes regiões dos principais municípios e por tipos de imóveis.
O lançamento do IGMI-R ABECIP representa o esforço conjunto da ABECIP e da FGV na consolidação e padronização de informações baseadas em laudos de avaliação utilizados nas operações de financiamento, seguindo padrões internacionais na metodologia de análise.

sábado, 10 de dezembro de 2016

Seminário 10 anos do Simples Nacional

Seminário 10 anos do Simples NacionalSeminário 10 anos do Simples NacionalSeminário 10 anos do Simples NacionalSeminário 10 anos do Simples NacionalProgramação - Seminário 10 anos do Simples NacionalInscreva-se - Seminário 10 anos do Simples Nacional

Estudos Filológicos e Crítica Textual

facebook_1480893624568

EBAPE e IME realizam evento sobre startups no Rio de Janeiro

A Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas da FGV (EBAPE) e o Instituto Militar de Engenharia (IME) realizou, no dia 9 de dezembro, de 16h às 21h, o evento “Startups FGV & IME e investidores-anjo: potencializando novos desafios”, no Centro Cultural FGV (Praia de Botafogo, 186 – Botafogo, Rio de Janeiro).
O evento está dentro de um conjunto de atividades que estão sendo realizadas no âmbito do convênio entre a FGV e o IME. O projeto foi concebido pela Diretoria de Estudos de Novos Negócios da FGV (DENN) e é executado pela EBAPE. O objetivo é criar um espaço de aprendizagem em conceitos e metodologias modernas de desenvolvimento de novos negócios e projetos em ambas as instituições.
A iniciativa é pioneira pela criação de uma turma conjunta, que busca explorar a complementaridade existente entre os cursos de Engenharia do IME e de Administração da FGV. Outro fator de pioneirismo é a utilização de metodologias ativas de aprendizagem que se inicia com quatro sessões de PBL, sigla inglesa para Aprendizagem Baseada em Problemas, organizado em turmas pequenas de cerca de 12 a 15 alunos. A metodologia exige muito trabalho independente, capacidade de atuação em grupos e competência na geração de soluções criativas. Cada uma dessas turmas é mediada por dois professores. Além disso, os alunos têm acesso a todos os recursos de laboratório do IME, onde um grupo de alunos utilizou-se de um dos laboratórios de prototipação e robótica para desenvolver um protótipo do seu produto.   
Com um viés extremamente conectado aos desafios do mundo real, o projeto ainda organizou dois eventos de debate e discussão sobre empreendedorismo de startups. No primeiro evento, quatro empreendedores foram convidados, mostrando os desafios enfrentados e resultados alcançados. No segundo evento, três investidores-anjo apresentaram discussões das principais características buscadas pelos investidores-anjo em startups.
O evento final, que tem como elemento principal a apresentação de 12 startups desenvolvidas na disciplina, contará com a presença de quatro investidores-anjo que farão a avaliação das propostas. Antes das apresentações, haverá uma palestra com o empreendedor Lucas Vargas, CEO do VivaReal, ex-CEO do Groupon e fundador da startup Deu Samba, que falará da sua carreira de empreendedor de startups sob o tema “Mercado de Tecnologia, Startups e Carreira”. O evento contará ainda com o lançamento de um startup de alunos, a Udrink
O encontro busca ainda provocar muitas reflexões e demonstrar novos caminhos a serem trilhados pelas instituições nesse dinâmico movimento de startups e suas metodologias enxutas.

Especialistas internacionais debatem produtividade e crescimento

A produtividade é a principal alavanca do crescimento econômico no longo prazo. Para estimular o debate sobre o tema, o FGV Crescimento & Desenvolvimento promove, em parceria com o Ridge Forum, o “Workshop on Productivity and Growth”. O evento será realizado no edifício-sede da FGV, no Rio de Janeiro, nos dias 12 e 13 de dezembro, e vai reunir especialistas do Brasil e de outros países para debater sobre temas da ciência econômica sobre produtividade e crescimento.
A abertura do evento será realizada às 14h no auditório 1 do 11º andar pelo diretor do FGV Crescimento & Desenvolvimento, Pedro Cavalcanti Ferreira, pelo diretor da EPGE – Escola Brasileira de Economia e Finanças da FGV, Rubens Penha Cysne, e por Omar Licandro, do Ridge Forum. O primeiro dia de evento contará ainda com palestras de Jens Matthias Arnold, da OCDE (“Who Gains from Better Access to Credit? Heterogeneous Firm Responses and the Reallocation of Resources”), Fatih Karahan, do Federal Reserve Bank of New York (“Demographic Origins of the Startup Deficit”), Alex Monge-Naranjo, do Fed St.Louis e Washington University (“Of Cities and Slums”), e Fabio Cerina, da Università di Cagliari (“The Role of Gender in Employment Polarization”).
O segundo dia acontece no auditório do 12º andar, a partir das 9h, com palestra de abertura de Jorge Thompson Araújo, do Banco Mundial (“Trends of Productivity in Latin America”). Já a terceira sessão do evento contará com Tiago Cavalcanti (Cambridge e EESP - Escola de Economia de São Paulo da FGV), com “Family Planning and Development: Aggregate Effects of Contraceptive Use”; e Omar Licandro (Nottingham e Barcelona GSE), que vai apresentar o trabalho “Firm Dynamics in the Neoclassical Growth Model”. A programação da manhã traz ainda João Victor Issler, da EPGE (“Measuring Human Capital Using Labor Market Data: An Application to the Study of Cross-Country Economic Growth”), e Raul Santaeulalia-Llopi, da Universitat Autonoma de Barcelona (“Marital Sorting, Social Norms, and Aggregate Productivity”).
Na parte da tarde, será a vez de Sophie Osotimehin (University of Virginia) falar sobre “Barriers to Reallocation and Economic Growth: The Effects of Firing Costs”, e Rodrigo Fuentes (Universidade Católica de Chile) abordar “Technological Absorptive Capacity and Development Stage: Disentangling Barriers to Riches”. A mesa de encerramento terá como tema “Productivity Trends and Brazil in the Medium and Long Run” e vai contar com a participação de Regis Bonelli, do Instituto Brasileiro de Economia da FGV (IBRE), de Roberto Ellery, da UnB, e Fabio Kanczuk, do Ministério da Fazenda.
Para mais informações e inscrições sobre o evento, acesse o site.