FOTOGRAFIAS

AS FOTOS DOS EVENTOS PODERÃO SER APRECIADAS NO FACEBOOCK DA REVISTA.
FACEBOOK: CULTURAE.CIDADANIA.1

UMA REVISTA SEM FINS LUCRATIVOS

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

X Fórum Instituto Acende Brasil: Custos Socioambientais

Lançamento do documentário - Jaime Lerner: uma história de sonhos



Abertura do 10º ENCONTRO DA ABCP propõe uma reflexão acerca da Democracia

No primeiro dia do 10º Encontro anual da Associação Brasileira de Ciência Política, os professores John S. Dryzek (University of Camberra) e Yves Sintomer (Paris VIII) participaram da Conferência de Abertura, com o tema Perspectivas da Teoria Democrática, realizada na noite desta terça-feira (30). 


Prof. e presidente de ABCP Leonardo Avritzer ao centro, e os dois convidados para a conferência de abertura, à esquerda na foto está: Yves Sintomer, e à direta John S. Dryzek. O nome da conferência foi Perspectivas da Teoria Democrática.
Ver  todas as fotos com as legendas nesse link: https://www.facebook.com/ABCPOficial/posts/494267924104962

O cientista político e presidente da ABCP, prof. Leonardo Avritzer (UFMG), abriu o evento e apresentou os conferencistas internacionais, em áudio que envio anexo. 

Além disso,  durante a cerimônia foi proposto aos presentes que fizessem uma reflexão da jovem democracia brasileira: Em que aspectos ela está sendo ameaçada, diante dessa votação do impeachment da presidente Dilma? E qual será o cenário nacional pós-impeachment? Essas foram algumas das questões levantadas pelo professor. 

Em sua apresentação, o autraliano Dryzek explicou sobre a democracia deliberativa, embasada em três imagens essenciais: do fórum, do sistema e do polity; em cada cultura isso se manifesta de um jeito diferente. 

Veja os slides da apresentação dele aqui. 


Já o francês Yves Sintomer traça o diagnóstico e o prognóstico dos rumos de uma democracia nas mais diversas sociedades. Ele citou alguns episódios e movimentos de resistência, como o movimento Passe Livre Brasil, Occupy de NY, Praça da Independência em Kiev, o maio de 2011 em Madri. 

Veja os slides da apresentação aqui: 


Nesta pasta você encontra mais fotos da abertura:

5º Fórum Senac leva programação interativa para o Festival de Gastronomia de Tiradentes

Instituição manterá palestras e oficinas gratuitas e abertas ao público; durante a semana, cursos são oferecidos na Pousada Senac para qualificação de profissionais e empresários locais que atuam no segmento

        O 19º Festival Cultura e Gastronomia Tiradentes (MG) está levando milhares de pessoas à cidade histórica para a participação em atividades gratuitas com a presença de chefs renomados de todo país. E o 5º Fórum Senac – Gastronomia e Cultura seguirá no próximo fim de semana, 03 e 4/09, com as atividades educacionais e gastronômicas gratuitas na Pousada Senac Tiradentes, no Espaço Aulas Senac e Espaço Interativo Senac, os dois últimos no Largo das Forras.
Uma programação de palestras e oficinas ocorrerá simultaneamente em todos os espaços Senac no sábado e domingo. Na Pousada Senac estão previstas 7 palestras com capacidade para 50 pessoas, cada uma. O Espaço Aulas Senac oferece 7 palestras com capacidade para 40 lugares, cada. Já o Espaço Interativo, no Lago das Forras, onde os chefs ensinam os participantes a preparar um prato, tem capacidade para 16 interessados. As inscrições para todas as atividades são gratuitas e devem ser realizadas no próprio espaço, por ordem de chegada. Este ano, chefs do Senac e instrutores da instituição, como Ronie Peterson, Laudinei do Carmo e Beto Haddad, irão participar dos espaços Cozinha ao Vivo.

Primórdios da Cozinha Mineira

           No primeiro final de semana do Festival, o projeto “Primórdios da Cozinha Mineira” fez sucesso com o público e lotou o Espaço Aulas Senac de interessados em conhecer os costumes gastronômicos dos primeiros aventureiros que chegaram a Minas Gerais. A coordenadora do projeto, Vani Pedrosa, fará uma nova apresentação no próximo domingo, 04/09, às 10h, no mesmo local.  A pesquisa, que teve a participação dos alunos do curso de graduação tecnológica em Gastronomia do Senac, mapeou os hábitos, técnicas e produtos alimentares utilizados durante o primeiro rush aurífero, no território que envolve as Serras da Piedade ao Caraça.
Os participantes poderão conferir também a “Cápsula dos Sentidos”, que atraiu centenas de pessoas na primeira fase do evento. Nesse espaço, o participante fará uma viagem sensorial aguçando os cinco sentidos (tato, olfato, audição, paladar e visão), a partir dos produtos encontrados nos “Primórdios da Cozinha Mineira”. A Cápsula dos Sentidos fica ao lado do Espaço Aulas Senac.


            A Pousada Senac

          Durante a semana (até o dia 02/09), o restaurante da Pousada Senac se transforma em sala de aula. São oferecidos, também gratuitamente, cursos e workshops para empresários e profissionais que atuam na área. Temas como boas práticas na manipulação de alimentos, marketing pessoal para garçons e atendentes, elaboração de cardápios e harmonização de cervejas, entre outros, serão abordados por orientadores do Senac de Belo Horizonte, Tiradentes e Barbacena.
O restaurante da Pousada Senac conta com uma programação de atividades gratuitas durante os dias de festival e abre também à noite para jantares temáticos. O cardápio - montado exclusivamente para o evento por renomados chefs do Senac que se formaram na instituição e estudantes em curso - mescla a culinária de Minas Gerais e da França, e explora o terroir e a regionalidade mineira. O restaurante fica na Rua São Francisco de Paula, 164 – Cascalho. As reservas podem ser feitas pelos telefones (31) 98478-5934 e (11) 98948-7838.
           
           
Cartões postais e selfies
         
       E para quem quer compartilhar as experiências vividas no Festival, o descubraminas.com, portal mantido pelo Senac e especializado em cultura e turismo mineiro, promoverá duas ações. Em um estande no Largo dos Chefs (rodoviária), os visitantes poderão escolher cartões-postais de Minas e mandá-los gratuitamente para qualquer parte do mundo e também tirar selfies em um ambiente que reproduz as tradicionais cozinhas mineiras.



ESPAÇOS SENAC

POUSADA SENAC TIRADENTES (Rua São Francisco de Paula, 164 - Bairro Cascalho): aulas demonstrativas e palestras ministradas pelos chefs convidados do evento. Nesta edição, a pousada também abrirá as portas para os chefs prepararem jantares para o público durante o fim de semana. Entre os dias 29/08 e 04/09, o local funcionará como sala de aula para cursos e workshops.

* ESPAÇO INTERATIVO SENAC (Lago das Forras): aulas práticas sob a orientação dos mais renomados chefs brasileiros.

* ESPAÇO AULAS SENAC (Largo das Forras): chefs e profissionais da gastronomia vão ministrar aulas teóricas gratuitas e também demonstrar preparos e degustações de pratos típicos, falando sobre as riquezas gastronômicas de várias regiões do país.


PROGRAMAÇÃO CONDUZIDA PELOS PROFISSIONAIS DO SENAC

*ESPAÇO AULAS SENAC: 40 vagas
04/09, domingo, das 10h às 11h15: “Primórdios da Cozinha Mineira” com a especialista em Pesquisas Gastronômicas do Senac em Minas, Vani Maria Pedrosa


* ESPAÇO INTERATIVO SENAC: 16 vagas
03/9, domingo, das 10h às 12h – “Sabores de Minas”, com Laudinei Tadeu do Carmo, instrutor do Senac


* COZINHA AO VIVO – TERRA DE MINAS:
03/9, sábado, às 11h – Os Primórdios da Cozinha Mineira na gastronomia atual: Sorvete instantâneo de queijo curado por fungos de caverna com calda de hidromel,  com Ronie Peterson, chef executivo do Hotel Senac Grogotó


* COZINHA AO VIVO – COSTELÃO:

03/09, sábado, às 16h – Churrasco peruano, com Beto Haddad, professor do curso de graduação tecnológica em gastronomia do Senac
04/09, domingo, às 14h - Churrasco peruano, com Beto Haddad, professor do curso de graduação tecnológica em gastronomia do Senac


PROGRAMAÇÃO CONDUZIDA PELOS EX-ALUNOS DO SENAC

* POUSADA ESCOLA SENAC: 50 vagas

03/9, sábado, das 10h às 10h45 - Minas na França - De volta às origens”, com Wagner Resende, ex-aluno do Senac em Minas e chef do Parigi Bistrô do Grupo Fasano (São Paulo - SP)

*  COZINHA AO VIVO – LARGO DAS FORRAS:
03/09, sábado, 11h – Risoto mineiro – Juliana Ferreira, formada em gastronomia pelo Senac em Minas e chef do restaurante Gourmeco (Tiradentes)

03/09, sábado, 14h – Doce no tacho – Iara Rodrigues, formada em gastronomia pelo Senac e proprietária do armazém e café Quitand’arte (Belo Horizonte)


Serviço:
5º Fórum Senac – Gastronomia e Cultura no 18º Festival Cultura e Gastronomia Tiradentes
Atividades: aulas, cursos, palestras e degustações. Inscrições gratuitas, no próprio espaço, por ordem de chegada.
Data: até 04/9
Horários: variados
Local: Tiradentes / MG
Informações: www.mg.senac.br ou 0800 724 44 40

terça-feira, 30 de agosto de 2016

X FÓRUM INSTITUTO ACENDE BRASIL: CUSTOS SOCIOAMBIENTAIS

Custos Socioambientais: redução de impactos ou repartição de benefícios? 
Local: Auditório da Bolsa de Valores do Rio de Janeiro
Endereço: Praça XV de Novembro, 15 - Centro – Rio de Janeiro - RJ
Data: 21 de setembro de 2016
Horário: 8h30 às 13h00 
INSCREVA-SE AQUI
Objetivos:
  • Discutir a elevação dos custos socioambientais decorrentes da implantação de empreendimentos do setor elétrico;
  • Avaliar o impacto dos atrasos sobre o custo dos empreendimentos e a insegurança jurídica deles derivada;
  • Debater ações pertinentes ao Estado que têm sido assumidas pelos empreendimentos; e
  • Propor alternativas de destinação e controle social dos recursos da Compensação Financeira.
Custos socioambientais de empreendimentos do setor elétrico são tema de debate no Rio de Janeiro em setembro
As questões sociais e ambientais, incluindo aspectos regulatórios, não são os únicos fatores que têm limitado a expansão da produção de energia. Há importantes incertezas acerca da forma de divisão dos riscos decorrentes de construção de empreendimentos entre os setores público e privado. Adicionalmente, nas últimas décadas, houve um aumento dos custos socioambientais e elevação da dificuldade de financiamento dos projetos. Os empreendedores também se preocupam com os crescentes custos acarretados pelas incertezas regulatórias que acabam também gerando atrasos para os projetos.
Em muitos casos os aspectos sociais associados aos empreendimentos de energia acabam superando a questão puramente ambiental, sendo que várias das demandas sociais emergem durante o licenciamento dos empreendimentos e, muitas vezes, não estão relacionadas ao projeto. Segundo estudo do Banco Mundial, os custos ambientais e sociais no desenvolvimento de empreendimentos hidrelétricos no Brasil representam 12% do custo total da obra, mas o mesmo estudo aponta que os custos impostos pela incerteza regulatória e contratual (excluído o licenciamento ambiental) representam cerca de 7,5% do custo total.
Os custos ambientais e sociais podem ser facilmente integrados aos custos do empreendimento, mas para tanto é essencial que se construa um ambiente regulatório previsível, inclusive no que se refere ao licenciamento ambiental e aos custos decorrentes dele.
A construção desse tipo de ambiente previsível é o foco do X Fórum Instituto Acende Brasil, que acontece no dia 21 de setembro de 2016, no Rio de Janeiro – RJ, com o tema "Custos Socioambientais: redução de impactos ou repartição de benefícios?"
Autoridades do governo, especialistas do setor elétrico, professores universitários e representantes da sociedade civil organizada estarão reunidos para um debate centrado na seguinte pergunta: “Os custos socioambientais servem apenas para reduzir os impactos pela implantação dos empreendimentos ou também promovem a repartição de benefícios entre os abrangidos pelos empreendimentos?”
Os objetivos específicos do X Fórum são: (a) discutir a elevação dos custos socioambientais decorrentes da implantação de empreendimentos do setor elétrico; (b) avaliar o impacto dos atrasos sobre o custo dos empreendimentos e a insegurança jurídica deles derivada; (c) discutir qual o real papel dos empreendimentos na região; e (d) propor alternativas de utilização e controle social dos recursos da Compensação Financeira.
O Instituto Acende Brasil, Observatório do Setor Elétrico Brasileiro, organiza e promove este evento.

Inscrições gratuitas
Informações com Melissa Oliveira
(11) 3704-7733 – melissa.oliveira@acendebrasil.com.br
www.acendebrasil.com.br
 
Programação:
8h30 – Credenciamento
9h00 – Debate
10h30 – Intervalo
11h00 – Debate
13h00 – Encerramento
Moderadores:
Claudio Sales e Alexandre Uhlig (Instituto Acende Brasil) 
Debatedores:
Carlos Eduardo Young
Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
Daniel Maia Vieira
Tribunal de Contas da União (TCU)
Ricardo Gorini
Empresa de Pesquisa Energética (EPE)
Rose Mirian Hofmann
Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA)
Tatiana Marques
CPFL Renováveis

Fiocruz realiza seminário para debater implementação da Agenda 2030

Em 1º de setembro vai acontecer o seminário A Fiocruz na Agenda 2030, que tem como objetivo fornecer subsídios para que a Fundação seja instituição estratégica em saúde na implementação desta iniciativa para o desenvolvimento sustentável. O encontro acontecerá no auditório da Escola, e as inscrições podem ser feitas até o dia do encontro por meio do link http://eventos.fiocruz.br/.  
 
A Agenda 2030 corresponde ao conjunto de programas, ações e diretrizes que orientarão os trabalhos das Nações Unidas e de seus países membros rumo ao desenvolvimento sustentável. Propõe 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) com 169 metas e sua implementação deverá ocorrer no período 2016-2030. Compreende três dimensões: social, econômica e ambiental, e o Brasil têm destacado a imensa oportunidade para que a pobreza do mundo seja erradicada dentro do período de vigência da nova Agenda.
 
O debate engloba questões como o financiamento para o desenvolvimento, transferência de tecnologia, capacitação técnica e comércio internacional. Além disso, deverá ser posto em funcionamento mecanismo de acompanhamento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e de suas metas. Esse mecanismo deverá auxiliar os países a monitorar e comunicar seus êxitos e identificar seus desafios, ajudando-os a traçar estratégias e avançar em seus compromissos com o desenvolvimento sustentável.

PAC Favelas: problemas não resolvidos pautam audiência pública

Na quarta-feira, dia 31 de agosto, ocorrerá a Audiência Pública "PAC Manguinhos, Alemão e Jacarezinho: questões habitacionais não resolvidas... Qual a solução?". Convocada pelo Núcleo de Terras e Habitação da Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro (Nuth), a audiência foi articulada pelos movimentos sociais das favelas de Manguinhos, Alemão e Jacarezinho, a partir de suas ações com o Nuth. Estima-se que mais de 4 mil famílias ainda vivam em aluguel social, a maioria há mais de cinco anos, por terem suas casas removidas em razão de obras do plano de Aceleração do Crescimento. A Fundação Oswaldo Cruz, por meio do Laboratório Territorial de Manguinhos da ENSP, atua na região com o interesse de juntar ciência e cidadania para transformar as realidades urbanas complexas, repletas de injustiça social e ambiental, produzindo e divulgando conhecimento sobre saúde, ambiente e políticas públicas do território. A audiência será às 14 horas no auditório da Fesudeperj, Rua Marechal Câmara nº 314 - 4º andar, Centro.
 
Foram convidados, para dialogar e apresentar respostas aos problemas levantados pelos moradores dessas favelas, órgãos responsáveis pela execução do PAC Favelas: a Prefeitura - Secretaria Executiva de Coordenação (Segov); o Governo do Estado, por intermédio da Secretaria de Obras e da Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos, a Emop e a Superintendência da Caixa Econômica Federal. Os órgãos de controle da sociedade serão representados pelo Ministério Público Federal – Procuradoria dos Direitos dos Cidadãos – e o Ministério Público Estadual – Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Cidadania. Pelo Poder Legislativo, estarão presentes: a Câmara Municipal, a Comissão de Acompanhamento das Questões de Habitação e da Assembleia Legislativa, a Comissão de Política Urbana, Habitação e Assuntos Fundiários.
 
A abertura da audiência terá uma atividade cultural, organizada pelos moradores, com a participação do artista e militante dos movimentos de favelas do Rio de Janeiro Cosme Felippsen, morador do Morro da Providência, que fará uma performance político-musical teatralizada. Após a sessão, os moradores farão uma caminhada pelo Boulevard Olímpico, saindo do auditório do Fesudeperj até a Praça Mauá. 
 
Números
 
Um problema comum vivenciado por mais de 4 mil famílias das três favelas é a não entrega de suas casas prometidas pelo Governo do Estado no âmbito do PAC. A grande maioria vive de aluguel social há mais de cinco anos, em razão da remoção de suas casas para as obras do PAC, principalmente pela localização em áreas de risco ou para abertura de vias etc.
 
O Alemão concentra mais de 1.700 famílias nessa situação; no Jacarezinho, são mais de 1.900 famílias; e Manguinhos soma 1.090 famílias das comunidades CCPL (403 famílias), Conab (662 famílias), Parque João Goulart (10 famílias), Vila São Pedro (10 famílias) e Vila União (5 famílias). Moradores revelam que o problema se agrava em virtude do atraso sistemático no recebimento do pagamento, além da defasagem em seu valor, que continua de R$ 400,00, desde o início das remoções, há mais de cinco anos.
 
Em Manguinhos, por exemplo, os moradores enfrentam problemas graves, muitos deles criados pelo próprio PAC,  como: casas em risco de desabamento; persistência de problemas de saneamento básico, com redes de esgoto estouradas ou misturadas com as águas de chuva; precária coleta de lixo e de fornecimento de água, nas ruas e vielas por onde passou o PAC; precariedades da rede elétrica e de fornecimento adequado de luz; dificuldades de mobilidade pelas precárias condições das vias; e enchentes não resolvidas pelas obras do Programa. 
 
“Com relação aos problemas de habitação, destacamos também a manutenção de famílias em aluguel social sem que haja um horizonte para a definição de sua moradia definitiva e obras inacabadas que afetam as condições de moradia”, afirmam representantes dos movimentos sociais das favelas de Manguinhos, Alemão e Jacarezinho. 
 
Relatório PAC Manguinhos
 
Em Manguinhos, as reivindicações constam do relatório “PAC Manguinhos: Problemas não Resolvidos e Recomendações”, elaborado por pesquisadores do Laboratório Territorial de Manguinhos (LTM), da Fiocruz, dos projetos de extensão Arquitetando Intersubjetividades da Unisuam e LSECAU/FEN da Uerj, em abril deste ano, para subsidiar as demandas dos moradores com a Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro. 
 
O PAC Favelas
 
O PAC Favelas, quando foi anunciado, trouxe muitas esperanças para os moradores do Rio de Janeiro. Ao mesmo tempo, desconfianças, pois, em suas memórias, estão sempre vivas suas experiências com a pouca ou nenhuma transparência na definição de prioridades, a incompletude e a provisoriedade, que marcam as políticas públicas na cidade do Rio de Janeiro. Desconfianças essas que novamente se concretizaram em obras mal feitas, outras inacabadas, e outras que sequer saíram do papel.
 
A despeito de ter colocado as favelas na agenda positiva da cidade e de ter realizado algumas obras, que mudaram as favelas onde teve intervenções, o PAC deixou um legado de malfeitos e de desesperanças. Não trouxe nenhuma mudança substantiva nos modos de se fazer política na cidade, como havia sido anunciado pelo governo federal, como condição para o financiamento das obras. Não foram superados o clientelismo eleitoreiro e as práticas de cooptação por grupos políticos, nem os interesses republicanos e coletivos passaram a preponderar sobre os interesses individuais, sejam dos governantes, das lideranças locais ou de outros interessados. Processo esse bem conhecido dos moradores, que tem como final infeliz as prioridades da sociedade mais uma vez relegadas com a continuidade dos problemas, num círculo vicioso sem fim.

BRAZIL WIND POWER 2016

Brasil atinge a marca de 10 GW de energia eólica em capacidade instalada
Sétima edição do maior evento do segmento da América Latina, entre os dias 30 de agosto e 1º de setembro no Rio de Janeiro, e celebra a ampliação da fonte eólica no Brasil
A sétima edição do maior evento de energia eólica da América Latina, o Brazil Wind Power, celebra a marca dos 10GW de capacidade instalada da fonte no Brasil, e traz números inéditos, dados e informações surpreendentes sobre o crescimento da energia eólica no País. O evento, que começa hoje (30/08) e vai até 1º de setembro, no Centro de Convenções Sulamérica, no Rio de Janeiro, conta com a presença das principais autoridades do setor e membros do governo, representantes de entidades do setor e dos principais players de mercado. O Brazil Wind Power é promovido pela Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica), pelo Conselho Global de Energia Eólica (GWEC) e Grupo CanalEnergia.
A energia eólica já representa 7% da matriz elétrica brasileira e acaba de atingir 10 GW de capacidade instalada em cerca de 400 parques eólicos e mais de 5.200 aerogeradores em operação. No ano passado, a energia eólica abasteceu mensalmente uma população equivalente a todo o sul do País e gerou 41 mil postos de trabalho. Se contarmos apenas os contratos assinados, vamos chegar a 2020 com 18,4 GW de capacidade instalada. Em dezembro, novo leilão deverá contratar mais energia eólica, adicionando mais energia à curva de crescimento.
Sobre o setor-Para se ter uma ideia do que representam esses 10GW, a usina de Belo Monte tem capacidade de pouco mais de 11 GW. No ano passado, a energia eólica abasteceu mensalmente uma população equivalente a todo o sul do País e gerou 41 mil postos de trabalho. Nos últimos seis anos, o investimento feito pelas empresas da cadeia produtiva de energia eólica, já 80% nacionalizada, foi de R$ 48 bilhões. Se contarmos de 1998 até hoje, já somamos cerca de R$ 60 bilhões investidos. Em 2015, a energia eólica foi a fonte que mais cresceu na matriz elétrica brasileira, responsável pela participação de 39,3% na expansão, seguida pela energia hidrelétrica (35,1%) e energia termelétrica (25,6%).
Esses são apenas alguns dados que mostram a vitalidade de um setor que tem se mostrado cada vez mais importante para o País, seja para ampliar a participação das energias renováveis na matriz elétrica brasileira ou ainda para contribuir com a retomada de crescimento brasileiro. O gráfico abaixo mostra a evolução da capacidade instalada e o que já está contratado com previsão de instalação até 2020. Com a realização de novos leilões, como o previsto para dezembro de 2016, mais capacidade deverá ser adicionada à curva abaixo para os próximos anos.
Imagem inline 1
Posição do Brasil - Em termos mundiais, o Brasil tem se destacado. De acordo com o GWEC – Global World Energy Council, o Brasil foi o quarto país em crescimento de energia eólica no mundo em 2015, considerando os números de capacidade instalada, atrás da China, Estados Unidos e Alemanha e representando 4,3% do total de nova capacidade instalada no ano passado no mundo todo. Em percentual, foi o País que mais cresceu no mundo. De acordo com o “Boletim de Energia Eólica Brasil e Mundo – Base 2015”, divulgado pelo Ministério de Minas e Energia em agosto de 2016, o Brasil subiu sete posições, nos últimos dois anos, ocupando hoje o oitavo lugar em geração, representando cerca de 3% de toda produção eólica mundial.
“A marca de 10 GW é certamente emblemática e vamos comemorar. O que nos motiva agora é trabalhar pelos próximos 10 GW. Hoje, a energia eólica representa 7% da matriz elétrica brasileira. Considerando o que já temos de contratos assinados, vamos chegar a 2020 com mais de 18 GW e temos potencial para crescer ainda muito mais. Para um País como o Brasil, com tantos recursos naturais abundantes e que tem um dos melhores ventos do mundo, considero ser um caminho não apenas natural, mas também estratégico, investir para ampliar a energia eólica. E, claro, temos que pensar nos compromissos que assumimos na COP-21 e as eólicas têm um papel muito importante para ajudar a atingir os objetivos, já que seu impacto ambiental de instalação é baixíssimo e o de operação é praticamente zero”, resume Elbia Gannoum, presidente executiva da ABEEólica.
Potencial eólico e mercado- A situação favorável da indústria eólica pode ser explicada pela ótima qualidade dos ventos brasileiros e também pelo forte investimento das empresas que, nos últimos cinco anos, construíram uma cadeia produtiva nacional para sustentar os compromissos assumidos e o enorme potencial de crescimento desta fonte de energia, que acreditamos ser o futuro. Os grandes fabricantes de aerogeradores, pás, torres e grandes componentes estão instalados no Brasil, produzindo e contratando aqui. Além disso, dezenas de empresas brasileiras foram criadas ou passaram a se dedicar para oferecer componentes para a cadeia produtiva.  
“Em dezembro, teremos um momento muito importante para o setor neste ano: o Leilão de Reserva. A contratação de energia eólica neste leilão será vital para dar um sinal de investimento para toda a cadeia de energia eólica, formada recentemente e num investimento que já passa dos R$ 48 bilhões nos últimos seis anos. Os contratos que temos assinados sustentam a cadeia até 2020, como se vê no gráfico acima, mas é necessário fazer novas contratações para manter a cadeia ativa e o setor crescendo de forma sustentável”, explica Elbia. 
O Leilão de Reserva também é um instrumento importante para planejamento estratégico do setor elétrico brasileiro considerando segurança do sistema. “Como a ABEEólica tem reafirmado em diversas ocasiões, a contratação pelo leilão de reserva se mostra essencial por questões de segurança energética. Embora exista um entendimento superficial de que há sobra de energia no sistema, já provamos que não há sobra suficiente. O que há são sobras de contrato, de papel, e não de garantia física. Quando se olha apenas a garantia física, o que pode ser efetivamente gerado, o que existe de sobra de garantia física seria rapidamente utilizado na inevitável retomada do crescimento econômico brasileiro. Também por este motivo, o leilão de dezembro será fundamental para o País. Historicamente, o Brasil alterna períodos de risco de racionamento e de discussão sobre falta de energia. Isso precisa acabar e os leilões de reserva são os instrumentos adequados para um melhor planejamento”, explica a executiva.
Brazil Wind Power com energia limpa - Toda a energia consumida durante esta edição do Brazil Wind Power virá de energia eólica. Isso será possível porque a Honda Energy concedeu certificados de Energia Renovável ao Brazil Windpower 2016. Os certificados são referentes à energia eólica produzida pela Honda Energy em seu parque eólico, inaugurado em novembro de 2014 para fornecer energia eólica para a fábrica da Honda em Sumaré (SP). O parque eólico da fabricante japonesa está localizado na cidade de Xangri-Lá (RS) e possui nove turbinas, de 3MW cada, com capacidade instalada de 27MW. Com o pleno funcionamento dos equipamentos, a empresa deixará de emitir 2,2 mil toneladas de CO2 por ano, o que representa aproximadamente 30% do total gerado pela fábrica de automóveis, que possui capacidade instalada para a produção anual de 120 mil carros. 
Sobre o Brazil Wind Power – Conferência e exposição- A sétima edição do evento contará com mais de 100 expositores, representados pelas principais empresas da cadeia produtiva da indústria de energia eólica. Na edição passada, o evento obteve um público presente de 2.700 participantes, com 93 expositores e 73 palestrantes.Segundo os organizadores do evento, a exposição, desde as últimas edições, vem refletindo o bom momento vivido pela indústria eólica, com um ambiente de ótimas oportunidades de negócio, propício a novos investidores. Empreendedores, consultores, empresários, executivos, fabricantes, prestadores de serviços e todos os profissionais envolvidos com o segmento poderão expor suas inovações e trocar experiências.
Sobre a ABEEólica - A ABEEólica congrega mais de 100 empresas de toda a cadeia produtiva do setor eólico e tem como principal objetivo trabalhar pelo crescimento, consolidação e sustentabilidade dessa indústria no Brasil. 
Dados importantes do setor:
- 10 GW de potência instalada.
- 400 parques: 5.251 aerogeradores e torres e 15.753 pás instaladas.
- 15 empregos gerados a cada mw. No ano passado, foram 41 mil empregos gerados. Devemos fechar 2016 com número semelhante. No acumulado, são 150 mil postos de trabalho desde o primeiro parque eólico.
- Cerca de R$ 60 bilhões investidos de 1998 até hoje.
- Em 2015, a energia eólica abasteceu 11 milhões de residências no País, uma população equivalente ao sul do Brasil.
- A energia eólica é responsável por 7% da matriz elétrica brasileira.
- Há mais de 8 GW já contratados para serem implantados até 2020.
SERVIÇO:  BrazilWindpower 2016 ConferenceandExhibition
DATA: de 30 de Agosto a 1º de Setembro de 2016
LOCAL: Centro de Convenções Sulamerica - Rio de Janeiro-RJ

10º Encontro da ABCP



O 10º Encontro da ABCP, terá lugar na cidade de Belo Horizonte, no Hotel Ouro Minas, de 30 de agosto a 02 de setembro de 2016. Com o Tema Geral “Ciência Política e a Política: Mem­­­­­ória e Futuro”, o Encontro celebra os trinta anos de fundação da ABCP e os vinte anos de sua efetiva organização no âmbito nacional.
Entre avanços e desafios que marcam o presente contexto da democracia brasileira, o 10º Encontro da ABCP pretende abordar as dimensões complexas e os aspectos contraditórios da relação entre a Ciência Política – campo de produção de conhecimento, de pesquisa e de ensino – e a Política em geral, esteja esta relacionada com as transformações da comunidade política e de suas instituições, com as relações de poder e os conflitos na sociedade, com as diferentes formas de ação coletiva e cooperação, ou ainda com as políticas públicas, seus processos decisórios, sua implementação e posterior avaliação. 

Comissão define Eixos Temáticos do maior Congresso de Meio Ambiente de MG

“Eixos ligados aos temas atuais de debates, nas mais diversas áreas ambientais, foram definidos para os congressistas que desejarem enviar seus trabalhos para análise”
Em atenção ao slogan central do XIII Congresso Nacional do Meio Ambiente de Poços de Caldas – “Inovações e Soluções Tecnológicas Sustentáveis”, a Comissão Científica e Organizadora do evento se reuniu nesta última quinta feira, para definir os Eixos Temáticos para submissão de trabalhos, prazos de recebimentos dos artigos científicos, temas de palestras e demais atividades relacionadas ao maior evento da área ambiental de Minas e um dos mais importantes do Brasil.
Os Eixos Temáticos para submeter dos trabalhos científicos são: TI Verde – Tecnologia da Informação; Saúde, Segurança e Meio Ambiente; Educação Ambiental; Conservação Ambiental e Produção Agrícola Sustentável; Gerenciamento de Recursos Hídricos e Energéticos; Turismo Sustentável; Legislação e Direito Ambiental, e, Gerenciamento de Resíduos Sólidos e Líquidos.O prazo para envio dos trabalhos é de 15 de Fevereiro a 30 de Abril, e o artigo deverá seguir as normas específicas que estarão disponíveis no site a partir de 25 de janeiro.
O Congresso contará ainda com diversas palestras com temas de grande importância referentes aos desastres ambientais que tem acontecido atualmente, como foram os casos de Mariana e de Poços de Caldas, ambos em Minas Gerais. A Comissão está preparando esta programação de palestras, cases, painéis e minicursos com a participação de pessoas importantes para cada área e com vasto conhecimento, para, dessa forma agregar ainda mais conteúdo aos participantes deste principal evento ambiental.
As inscrições para o Congresso também começarão no dia 15 de fevereiro e deverá ser feita de forma online, através do site oficial do evento. Lembrando que o evento será realizado em nova data, dias 21, 22 e 23 de setembro de 2016, no Espaço Cultural da Urca através da parceria entre a GSC Eventos Especiais e o IFSULDEMINAS, Campus Muzambinho.

Cetab/ENSP comemora conquistas no Dia Nacional de Combate ao Fumo

Celebrado em 29 de agosto, o Dia Nacional de Combate ao Fumo foi criado em 1986 para conscientizar e mobilizar a população sobre os riscos decorrentes do uso do cigarro. Trinta anos após a instituição da data, muitos progressos foram alcançados, no âmbito da implementação de políticas para controle do tabaco, com o objetivo de reduzir o sofrimento e mortes em decorrência de seu uso. No entanto, ainda há muito a ser feito para impedir a propagação do produto, que é a principal causa de óbito evitável no planeta. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 200 mil pessoas morrem todos os anos no Brasil em decorrência do fumo, e esse valor saltará para cerca de 4,9 milhões em perspectiva mundial. Segundo os pesquisadores do Centro de Estudos sobre Tabaco e Saúde (Cetab/ENSP), ao longo desses anos, medidas como aumento de preços, proibição da propaganda e do consumo de tabaco foram fundamentais para diminuição do impacto do tabaco na vida das pessoas. "Estamos celebrando também 10 anos de ratificação da Convenção Quadro para o Controle do Tabaco no Brasil (CQCT). Muito já foi conquistado, mas é preciso seguir em frente e avançar ainda mais", reforçaram.

No âmbito das conquistas, de acordo com a explicação da pesquisadora Silvana Turci, do Cetab/ENSP, a proibição do consumo de tabaco em locais coletivos fechados – o que torna os ambientes 100% livres de fumo – foi fundamental, mas ainda é preciso avançar na regulamentação nos pontos de venda, usados como painéis de propaganda. Desde a proibição de propagandas nos pontos de venda, a indústria vem adotando uma forte estratégia: o uso de displays atrativos e luminosos para venda dos produtos - próximos a balas e doces -, o que busca atrair os jovens, assim como a adição de sabor aos produtos do tabaco. “Os aditivos são apelativos para os jovens, uma vez que, ao experimentar, muitos sentem irritação na garganta e mau gosto nas primeiras tragadas. Os aditivos, em especial o açúcar e o mentol, reduzem essas sensações ruins, tornando as primeiras experiências prazerosas”, alertou ela.

De acordo com a coordenadora do Cetab, Valeska Figueiredo, O Brasil foi o primeiro país a vedar o mentol por meio de uma medida da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa); no entanto, por uma medida impetrada pela indústria, o Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu a ação. Segundo ela, há muitos deputados que defendem os interesses da indústria e usam de diversas estratégias para emperrar o prosseguimento de projetos de lei. Ainda de acordo com a coordenadora, a proibição de aditivos, implementada atualmente pela Comissão Europeia, será uma medida de grande importância para reduzir a iniciação ao tabagismo.

Brasil como exemplo

As leis de controle do tabaco no Brasil têm inspirado muitos países, e seu sucesso pode ser percebido com a queda na prevalência de fumantes. Segundo Silvana Turci, com base nos dados do Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel 2013) o porcentual de fumantes caiu 28% nos últimos oito anos. “Em 2006, 15,7% da população adulta que vivia nas capitais fumava. Em 2013, a prevalência caiu para 11,3%. O dado é três vezes menor que o índice de 1989, quando a Pesquisa Nacional de Saúde e Nutrição (PNSN), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apontou 34,8% de fumantes na população. A meta do Ministério da Saúde é chegar a 9% até 2022”, descreveu ela.

Impostos mais altos para reduzir a procura

Impostos mais altos sobre o produto são a estratégia mais eficaz para reduzir a procura, uma vez que os preços elevados incentivam os usuários a desistir do fumo e desencorajam outras pessoas a começar a fumar. Valeska descreveu que um estudo recente aponta redução na prevalência de jovens fumantes entre 2008 e 2013, de acordo com dados do IBGE. Segundo a coordenadora, a indústria se utiliza do argumento do aumento no preço do cigarro para justificar o contrabando. “Nos anos 1990, a indústria usou esse mesmo argumento, o governo reduziu os impostos, e a industria aumentou. Há estudos também que comprovam o fato de que a política de aumento de impostos não aumentou o contrabando. A verdade é que se a indústria grita contra – como faz com a questão dos impostos – é porque é ruim para ela”, alertou a coordenadora.

O aumento dos impostos, no entanto, é a medida da Convenção Quadro para Controle do Tabaco (CQCT) que teve menor progresso. O Chile é o único país da região das Américas onde os impostos sobre os cigarros representam mais de 75% do seu preço de venda no varejo. Outros países como Argentina, Jamaica e Peru tomaram medidas, recentemente, para aumentar a tributação, embora sem chegar aos 75% recomendados pela OMS. No Brasil, a taxação totaliza 64,94% do preço do produto no varejo.

Observatório foca nas ações da indústria

No âmbito das conquistas, o Centro de Estudos sobre Tabaco e Saúde comemora também o lançamento do Observatório sobre as Estratégias da Indústria do Tabaco – a primeira plataforma digital criada por uma instituição pública da área de saúde –, cujo objetivo é demonstrar a interferência da indústria do fumo nas políticas públicas de controle do tabaco. A ferramenta, que permite colaborações externas, armazenará documentos que revelam a influência da indústria nos processos políticos e legislativos, promovendo parcerias com lobistas para obter decisões que contemplem seus interesses.

Segundo Silvana Turci, o Observatório é mais um instrumento para confirmar a atuação da indústria do tabaco, na tentativa de comprometer as ações que resultem em políticas efetivas de controle. Existe um conflito fundamental e irreconciliável de interesses entre a indústria do tabaco e a saúde pública; dessa forma, as partes devem ser responsáveis e transparentes ao lidar com a indústria, bem como exigir que a indústria opere de maneira responsável e transparente. Além disso, devido à natureza letal de seus produtos, não devem ser fornecidos incentivos para a indústria estabelecer seus negócios”, afirmou ela.

O Observatório pode ser acessado pelo endereço http://cetab.ensp.fiocruz.br/index.php/, e contribuições enviadas para o e-mailcetab.observatorio@ensp.fiocruz.br. Nele constam também informações adicionais como nomes de pessoas ligadas à indústria do tabaco – políticos, advogados e blogueiros – e organizações ligadas à indústria – escritórios de advocacia, empresas de fachada e agências de publicidade.

O Dia Nacional de Combate ao Fumo

Este ano, o Instituto Nacional do Câncer (Inca), parceiro do Cetab/ENSP em diversas ações que buscam reduzir o sofrimento e mortes em decorrência do tabaco, lançou a campanha #MostreAtitude: sem o cigarro sua vida ganha mais saúde, motivada pelos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. O tema esporte foi adotado para alertar a população, principalmente os jovens, sobre os benefícios da atividade física na prevenção da iniciação e no apoio à cessação do tabagismo. O Dia Nacional de Combate ao Fumo tem como objetivo reforçar as ações nacionais de sensibilização e mobilização da população brasileira para os danos sociais, políticos, econômicos e ambientais causados pelo tabaco.

Para Silvana Turci, temos muito o que comemorar, mas é preciso seguir em frente e avançar ainda mais. “Atualmente, precisamos focar em assinar e incorporar ações contra o comércio ilícito, que será agora um importante ponto na agenda para o efetivo e perene controle do tabaco”, comemorou. 

Lançamento do ENAEX 2016 em São Paulo

Lançamento do ENAEX 2016 em São Paulo



Temos a honra de convidá-lo(a) para participar do evento de lançamento do ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR – ENAEX 2016.

Dia: 15/09/2016 (quinta-feira)
Horário: 14h30 às 17h00
Local: Auditório da Aduaneiras - Avenida Paulista nº 1337, 23º andar - São Paulo

Inscreva-se gratuitamente confirmando sua presença através do e-mail: apoio@aeb.org.br

Programa:

  • Lançamento oficial do ENAEX 2016 em São Paulo com breve apresentação do projeto do evento;
  • Palestra de Fernando Pimentel - Diretor Superintendente da ABIT - Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção, cujo título da palestra será "Relação Brasil e Argentina: oportunidades, desafios e expectativas no âmbito da industria têxtil e de confecção";
  • Palestra de André Marcos Fávero - Diretor da ApexBrasil - Agência Brasileira de Promoção  de Exportações e Investimentos, cujo título da palestra será “Exportação e Competitividade: desafios para Apex-Brasil”.

Associação de Comércio
Exterior do Brasil - AEB

55 21 2544-0048
aebbras@aeb.org.br
aeb.org.br


domingo, 28 de agosto de 2016

13º Congresso Nacional de Meio Ambiente

O Congresso Nacional de Meio Ambiente de Poços de Caldas nasceu de uma necessidade dos profissionais das áreas do direito ambiental, engenheira ambiental, técnico de meio ambiente entre outras, discutir a respeito de todos os assuntos que envolvem o meio ambiente e a vida das pessoas. Originalmente, foi realizado em 2005 contando com mais de 600 pessoas, como um evento para a área do Direito Ambiental.  Ano após ano, o evento tornou-se o mais importante do Sul de Minas e Região, contando com autoridades e palestrantes de renome internacional como Dr. Werner Grau Neto, Richard Rasmussen, Fernando Gabeira, Marina Silva e tantos outros nomes que contribuíram para o sucesso do evento e ficaram na história. Com a parceria firmada desde 2009 com  Instituto Federal de Educação,Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais – Câmpus Muzambinho, a  Comissão Técnica formada com docentes conceituados  fez com que o conteúdo das palestras ficasse cada vez mais interessante para o diversificado público que prestigia o evento. Essa parceria estende-se também aos trabalhos científicos, sendo esta comissão responsável pela avaliação dos trabalhos para publicação e exposição em pôsteres, assim como a escolha dos dez melhores trabalhos para apresentação oral e também a premiação dos melhores trabalhos na forma de pôsteres e orais.
Em sua 13° Edição, o Congresso Nacional de Meio Ambiente de Poços de Caldas acontecerá em nova data: de 21 a  23 de setembro de 2016, marcando o início da Primavera e comemorando o Dia da Árvore. Com o  tema  ‘’Inovações e Soluções Tecnológicas Sustentáveis’’ o Congresso contará com palestras e mesas de debates de altíssimo nível e com palestrantes de renome, além de minicursos e atividades paralelas. Prestigie você também e fique por dentro do que está acontecendo no nosso planeta.