FOTOGRAFIAS

AS FOTOS DOS EVENTOS PODERÃO SER APRECIADAS NO FACEBOOCK DA REVISTA.
FACEBOOK: CULTURAE.CIDADANIA.1

UMA REVISTA SEM FINS LUCRATIVOS

quarta-feira, 29 de março de 2017

Pesquisadora integra comitê do Banco Mundial na área de tuberculose e doença pulmonar ocupacional

O Banco Mundial nomeou a pesquisadora Margareth Dalcolmo, do Centro de Referência Professor Hélio Fraga, da Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca (CRPHF/ENSP), integrante do Comitê Regional de Apoio a Projetos nas Áreas de Doenças Respiratórias Ocupacionais e Tuberculose para a África Subsaariana. O grupo, que reúne membros de diferentes países, fornece suporte técnico e científico para melhoria da cobertura e qualidade dos serviços de controle da tuberculose e de doença pulmonar ocupacional nos países africanos, além de prover as condições adequadas para submissão de projetos financiados pelo Banco Mundial. A pneumologista da Fiocruz é a primeira brasileira indicada para compor o comitê.
 
O convite surgiu do interesse manifestado pelos governos de Moçambique, Malawi, Zâmbia e Lesoto, participantes do projeto, em nomear um especialista global em controle de TB. O objetivo, com base na expertise da brasileira, é fortalecer a aprendizagem sul-sul a respeito do controle da doença e dar apoio a outras áreas técnicas.
 
“É um convite bastante interessante. Desenvolvo um trabalho técnico na área da pesquisa clínica, e é a primeira vez que convocam um brasileiro para esse grupo seleto de pesquisadores. Trata-se de uma participação de natureza técnica. Analisaremos esses projetos propondo modificações a ponto de torná-los aceitáveis para financiamento. O comitê também irá assessorar tecnicamente os grupos locais de pesquisa e as autoridades sanitárias na implementação das ações relacionadas a esses projetos” detalhou a pesquisadora.
 
O grupo terá duas reuniões por ano e estará em contato com os ministros da Saúde dos países participantes. Em 2016, o Conselho de Administração do Banco Mundial aprovou US$ 122 milhões em assistência financeira para combater a tuberculose em alguns dos países mais afetados pela doença. O investimento será por meio de três componentes que se reforçam mutuamente: prevenção inovadora, detecção e tratamento da TB; fortalecimento de capacidades de vigilância na região, diagnóstico e gestão da doença; e apoio à aprendizagem regional e inovação e gestão de projetos.

Confira o Especial sobre Tuberculose da Agência Fiocruz de Notícias.