FOTOGRAFIAS

AS FOTOS DOS EVENTOS PODERÃO SER APRECIADAS NO FACEBOOCK DA REVISTA.
FACEBOOK: CULTURAE.CIDADANIA.1

UMA REVISTA SEM FINS LUCRATIVOS

quarta-feira, 15 de março de 2017

A Elaboração do Orçamento da Defesa em Tempos de Crise: Os casos da Alemanha, Brasil, Estados Unidos e França

A Elaboração do Orçamento da Defesa em Tempos de Crise
Data: Dia 3 de abril de 2017
Local: FGV Auditório, Praia de Botafogo, 190, Rio de Janeiro
Apresentação: Devido à crise econômica iniciada em 2014, o orçamento de defesa do Brasil está sofrendo uma escassez aguda de recursos. O resultado tem sido o cancelamento ou postergação de investimentos importantes, como, por exemplo, a renovação da esquadra da Marinha, o desenvolvimento do Sisfron para vigilância da fronteira terrestre e do SisGAAz para a fronteira marítima. Não à toa, teve início, no âmbito da comunidade de defesa, uma discussão profunda sobre prioridades fundamentais de gasto militar. Levando em conta a situação descrita acima, a FGV e a Escola de Comando e Estado-Maior do Exército desejam fomentar uma discussão objetiva, de modo a contribuir para soluções eficazes e duradouras dos problemas decorrente da variabilidade orçamentária. Este seminário tem como objetivo trazer especialistas nacionais e estrangeiros para discutir como governos, os militares, a indústria e a comunidade acadêmica se articulam, em seus respectivos países, na elaboração do orçamento de defesa. O debate enfatizará os desafios geopolíticos de cada nação, suas especificidades institucionais – tais como o sistema de governo e o padrão de relações civis-militares –, a organização da indústria de defesa – suas vantagens competitivas, escala, concentração geográfica e influência política –, e contextos de crise econômica e retração fiscal, os quais têm sido recorrentes desde 2008. 
Público alvo: Congressistas ligados às Comissões de Orçamento e Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara e Senado; militares e civis do Ministério da Defesa; corpo executivo e empresas afiliadas a ABIMDE, AIAB e CNI; Comitês da Indústria de Defesa e órgãos assemelhados da FIESP, FIRJAN, FIEMG, FIESC e FIERGS; empresas estrangeiras envolvidas no setor de defesa no Brasil; acadêmicos.