FOTOGRAFIAS

AS FOTOS DOS EVENTOS PODERÃO SER APRECIADAS NO FACEBOOCK DA REVISTA.
FACEBOOK: CULTURAE.CIDADANIA.1

UMA REVISTA SEM FINS LUCRATIVOS

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Prêmio Capes de Tese 2016: menção honrosa para pesquisas da ENSP

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) divulgou o resultado do Prêmio Capes de Tese 2016. Entre os cinco trabalhos da Fiocruz que receberão Menção Honrosa, dois são da ENSP. As duas teses escolhidas da categoria Saúde Coletiva são de Maria Leticia Santos Cruz, do Programa de Saúde Pública da ENSP, selecionada pela tese Crianças e adolescentes vivendo com HIV em acompanhamento em serviços brasileiros: análise dos fatores de vulnerabilidade na Adesão ao tratamento antirretroviral, sob orientação de Simone Souza Monteiro, do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz), e coorientação de Francisco Inácio Pinkusfeld Monteiros Bastos, do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict). O outro trabalho escolhido na categoria foi de Aline Silva-Costa, do Programa de Epidemiologia em Saúde Pública também da ENSP, com a tese Trabalho noturno e diabetes tipo 2: resultados da linha de base do estudo longitudinal de saúde do adulto Elsa-Brasil, sob orientação de Rosane Härter Griep. A cerimônia de entrega dos prêmios ocorrerá na sede da Capes, em Brasília, no dia 14 de dezembro.
 
Na sua tese, Maria Leticia Santos Cruz conclui que a adesão ao tratamento antirretroviral se associa à melhor aceitação do diagnóstico, ao reconhecimento da importância de revelar o diagnóstico para criança/adolescente, valorização e disponibilidade para o cuidado, crença na eficácia tratamento e perspectivas de sobrevida e investimento no futuro da criança. 
 
Os resultados do trabalho de Aline Silva-Costa sugerem associação entre o trabalho noturno e o diabetes, mais fortemente entre as mulheres. Cada resultado observado reforça a relevância de estudos com enfoque nas diferenças de gênero, de forma a melhor compreender de que forma o trabalho noturno - seja como esquema atual de trabalho seja como o tempo total de exposição – pode influenciar a resposta, explica Aline.
 
Outras menções honrosas
 
Na categoria Ciências Biológicas II, Isabela Resende Pereira, do Programa de Biologia Celular e Molecular do IOC/Fiocruz, receberá a Menção Honrosa pela tese Regulação da resposta imune como alvo de intervenção terapêutica na cardiomiopatia chagásica crônica experimental, orientada pela pesquisadora Joseli Lannes-Vieira.
 
Já na categoria História, Pedro Felipe Neves de Muñoz, do Programa de História das Ciências e da Saúde da Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz), foi selecionado com a tese À luz do biológico: psiquiatria, neurologia e eugenia nas relações Brasil-Alemanha (1900-1942), sob orientação da pesquisadora Cristiana Facchinetti.
 
Cristiane Caldeira da Silva, do Programa de Vigilância Sanitária do Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS/Fiocruz), receberá Menção Honrosa com a tese Avaliação da contaminação pirogênica em soros hiperimunes e ambientes sujeitos à vigilância sanitária: comparação dos métodos in vitro e in vivo aplicados ao controle da qualidade, com orientação de Isabella Fernandes Delgado, do INCQS, e Aurea Maria Lages De Moraes, do IOC.
 
Mais premiação
 
Na categoria Medicina II, Nívea Farias Luz foi a vencedora com a tese Ativação da Heme Oxigenase-1 e via da necroptose como mecanismos imunopatogênicos na infecção de macrófagos por Leishmania Infantum, com orientação da pesquisadora da Fiocruz Bahia Valéria de Matos Borges. A edição de 2016 do Prêmio contemplou as teses de doutorado defendidas em 2015 em cada uma das 48 áreas do conhecimento reconhecidas pela Capes.
 
“Estamos certos de que o aumento no número de trabalhos selecionados em áreas diferentes do conhecimento na edição deste ano do Prêmio é resultado da qualidade e do compromisso dos alunos, professores e dos programas da instituição, além da consolidação do Programa de Excelência para a pós-graduação da Fundação Oswaldo Cruz”, ressalta a coordenadora-geral de Pós-Graduação da Fiocruz, Cristina Guilam.
 
Com informações da matéria de Leonardo Azevedo (Agência Fiocruz de Notícias).